"SANTA"

Fascinação, o que é fascinação? Algo que me causa arrepio na pele por este teu jeito de menina num corpo de mulher, que me enche de desejos. Não sei direito, mas, to achando que isso é a raiz de um amor.

ANDREIA…

ANDREIA…

Meu nome é Henrique, tenho 32 anos e sou do Rio de Janeiro.

Adoro sexo.

Normalmente costumo me relacionar com mulheres da minha faixa etária ou mais velhas (até os 46), mas desta vez terei que contar para vocês uma foda gostosíssima que dei com uma novinha. Andréia, 19 aninhos, branquinha, mamilos, bucetinha e cuzinho rosinha, cabelos castanhos claros e olhos verdes.

Essa ninfeta mora próximo a minha casa e ultimamente vem me dando diretas incríveis, louca para dar para mim. Eu geralmente levo suas brincadeiras na boa, embora seja uma ninfa atraente. Bom, estávamos numa festa de uma amiga nossa e Andréia, já bêbada, chegou em mim e me disse sem vergonha nenhuma: “você sempre finge que não me entende, mas nesta madrugada eu quero ser sua putinha, sendo assim quero que você me coma de todas as formas”.

Putz! Aquilo me deu um tesão! Ela nunca tinha sido tão cachorra assim e não pude desperdiçar esta oportunidade. Então peguei na mão dela e pedi que me acompanhasse. Levei-a para minha casa.

Mal entrei na sala, Andréia ja me tacou um gostoso beijo de língua, bem safado e demorado. Enquanto a beijava, já deslisava minhas mãos por todo seu corpo lisinho. Enfiei minha mão por dentro do vestidinho dela e já sentia sua xota molhadinha. Enquanto eu acariciava sua buceta, Andréia gemia. Nossos lábios unidos, mas mesmo assim promovendo gemidos deliciosos. Terminamos aquele beijo sensacional e chamei-a para o quarto. Tirei minha roupa e fiquei só de cueca. Me deitei na cama e pedi para Andréia fazer um strip. Ela foi botando dedinho na boca, rebolando, descendo e subindo, e foi tirando o vestido bem devagar. Fui testemunhando aquele corpo perfeito, seus seios médios, firmes e naturais foram de revelando. Minha puta então virou de costas e tirou sua calcinha e separou as nádegas me mostrando aquele olhinho do cu bem rosinha. Nossa! Demais!

Andréia subiu na cama, veio engatinhando em minha direção, meteu a mão na minha rola pelo lado de fora da cueca e começou a acariciá-lo e beijá-lo. “Nossa amor, que volume é esse? Deve ser enorme esse caralho, hein?”. Quando ela arriou minha cueca viu meu mastro de 23cm já latejando. “caralhooooo! Puta que pariu Henrique! Que isso? Que rola grande! hummm deliciaaaa!” Ela não perdeu tempo e foi beijando a cabeça e passando a língua de cima para baixo e depois o revés. Até que a deixou bem babadinha e caiu de boca. Ela foi chupando até a metade e aquilo foi me deixando louco então segurei a cabeça dela e forcei-a ir até o talo. Andréia engasgou, lágrimas saiam dos seus olhos e quando já estava bem vermelhinha sem fôlego, puxei sua cabeça para fora da rola. Aquele monte de fio de baba ainda conectando minha rola em sua boca era lindo demais de ver. “Seu filho da puta, Esse caralho foi na minha goela, cachorro!”

Coloquei minha putinha deitada de barriga pra cima, abri suas pernas e comecei o trabalho em sua bucetinha apertadinha. Abri sua xota, enfiei meu dois dedos e lambi seu grelho. Andréia não aguentava de tesão, gemia alto, virava os olhos, agarrando forte o traveseiro e então soltou seu mel na minha boca. Delicioso. Fui direto a sua boca e a beijei gostoso. Então fiquei de joelhos, cuspi na cabeça do pau e meti. Já fui dando estocadas fortes, mas sem enfiá-lo todo. Andréia gemia sem parar e então me deitei. Grudado em seu corpo enfiei tudo e comecei a socar sua buceta com força. Andréia dava gritinhos e aguentava aquele mastro inteiro já no seu útero. “Ai, amor, issooooo! Fode! Porraaa! Que delícia! acaba com minha xotinha vai!”

“Tão novinha e tão cachorra. Então toma sua vagabunda!”, assim respondi a branquinha e lhe dei um tapa na cara bem gostoso. Então continuei a acabar com aquela xotinha novinha. Andréia então começou a se acostumar e então anunciou que ia gozar. “Amor, vou gozar! aahh ahaaaaaaaaah, huuuuuuuuuuuuum caralhooooooooooooo! Aaaah filho da putaaaaa! Parei de meter, olhei em seus olhos e ela me pediu: “Deixa eu xupar essa rola com o gosto da minha bucetinha? Levei meu pau a sua boca eela provou tudinho. Rindo e feliz da vida ela pediu para sentar no meu caralho. Agora sim estava fudendo a puta que me chamou para essa farra.

Me sentei na cama, ela veio de frente para mim, foi agachando e fazendo meu boneco disaparecer na sua xota já arrombada com minha rola. Andréia subia e descia, pegava no meu rosto, eu mamava seus mamilos bem gostoso. Então andréia cravou tudo na xota e começou a fazer o movimento pra frente e pra trás. Meu Deus! Quase gozei de tão gostoso aquilo estava. Com vários tapinhas na minha cara, ela falava: “Tá gostoso tá, safado? Gosta de me ver rebolando nessa rola interia na mina bucetinha, gosta hã? fala pra mim seu puto!”.

Eu não conseguia responder, apenas absorver tudo de bom daquilo que estava acontecendo. Então girei ela com o pau ainda na sua xota, ela ficou de costas para mim, a agarrei e nos colocamos deitados de ladinho. Alí ficamos uns 15min fudendo naquela posição. Tive que me segurar para não gozar. Era muito gostoso. Já Andréia não se aguentou e gozou mais uma vez. Então falei no seu ouvidinho.

Botei ela de bananeira, com as pernas pro ar e fui encaixando meu pau na xota. Deitei ela de bruços e comi aquela buceta bem gostoso. Comi ela em pé. Levantei suas pernas até os meu ombros e por baixo fui metendo naquela xotinha. Andréia então segurou minha nuca, se pendurou em mim. A segurei pelas pernas, botei o pau de volta dentro da sua buceta e assim fudemos por algum tempo. Então comecei a imaginar comê-la de quatro.

Andréia ficou de quatro, com aquela buceta abetíssima mirando meu pau. Meti tudo de uma vez só e ela deu um gemido bem alto e depois relaxou. Pegava ela pela bacia com força e socava. Meu saco batia em na sua pele e fazia aquele barulho de socada bem forte. Enquanto fudia aquela buceta via aquele ohlo do cu piscando. E fui enfiando meu polegar no seu cu. “Andréia, agora é hora de você elevar seu grau de puta. Empina esse rabo que vou comê-lo gostoso. Tirei o pau da xota e experimentei aquele cu delicioso. Quando botei a cabeça me surpreendi, seu cu não era apertado como esperava. Então não perdi tempo e fui botando tudinho. Andréia gemia alto. Então comecei a bombar aquele cu. Socava com toda força e tirava para ver aquele buraco negro gostoso alargado. Delicia! Já com a porra acumulada e cada vez masi difícil de guardar, botei ela em pé contra a parede, ela abriu as nádegas e enfei de novo no seu rabo. Peguei ela por trás, tocando seus mamilos, falando bastante sacanagem em seu ouvido: “É assim que tu queria sua puta? Já foi bagunçada assim por algum desses lekes que tu dá?” Andréia: “Não, tesão! Nunca fui comida assim! Tô toda arrombada seu filho da puta! Henrique: Tô louco pra gozar nesse rostinho lindo e nessa boca gostosa.” Andréia: Aiii, eu quero seu leitinho na minha boquinha! Quero provar sua porra, cachorro!”

Depois de uma hora de foda, pus ela de joelho no chão mirei meu caralho na sua cara. Ela botou a língua para fora então jorrei porra pra caralho. Comecei esporrando envolta da sua boca, bochecha e assim sim jorrei meus últimos três jatos de leite dentro da sua boca. Ela adorou! Mostrou o leitinho todo na boquinha e foi fazendo a minha porra descer goela abaixo. “Que delícia de porra grossa e salgada hummmmmmmmmmmm! Vou querer sempre! Tá ouvindo? (risos)”.

Depois daquela foda maravilhosa, tomamos um banho juntos e levei-a até a sua casa que fica na rua atrás da minha. Nos despedimos com um beijo na boca e voltei realizado por ter tido tanto prazer com aquela mina tão novinha e tão safada.

igorhunsaker