"SANTA"

Fascinação, o que é fascinação? Algo que me causa arrepio na pele por este teu jeito de menina num corpo de mulher, que me enche de desejos. Não sei direito, mas, to achando que isso é a raiz de um amor.

Isabelle

Isabelle

Ela é branquinha, loira de cabelos longos até o ombro, peitos médios que encaixam certinho nas mãos e uma bunda fenomenal de tirar o fôlego de qualquer marmanjo.

Sou apaixonado por ela e faria qualquer coisa para agradar minha princesinha e ela também é apaixonada por mim, apesar de tudo que já passamos e de quase termos rompido há algum tempo.
Eu moro numa cidade do interior de São Paulo, porém é cidade grande e industrial, portanto temos uma vida agitada. E por isso, vira e mexe ia com meus pais para casa de um tio (irmão do meu pai) que morava em uma cidade próxima a nossa, porém ainda rural e bastante tranquila. Esse meu tio morava em uma fazendo e vivia da criação de galinhas e venda de ovos e morava com sua esposa e, seu único filho fazia faculdade em Belo Horizonte, por isso vinha para a fazenda apenas no final do ano.
Meu tio Roberto era daqueles homens fortes pela natureza, devido ao trabalho braçal do campo, onde viveu toda sua vida, era parrudo, coberto de pelo, calvo e com a barba por fazer, na casa dos quarenta anos. Minha tia Sonia uma coroa também nos quarenta e poucos anos, loira, com um corpo bonito, porém nada de extravagante, apenas um belo corpo para a idade.
Já estava namorando a Isabelle fazia dois meses e ainda não tínhamos ido visitar meu tio, como eu era muito apegado ao meu tio e minha tia e queria apresentar minha namorada a eles. Então falei ao meu pai que queria ir até a fazenda, mas devido a alguns problemas no serviço ele não estava podendo viajar, pedi então se poderia ir com a Isa passar o feriado com meu tio e ele disse que iria mandar mensagem falando a situação e perguntando se teria como me receber lá.
Isso foi logo cedo no café da manhã, porém meu pai apenas me respondeu no final da tarde. Disse que tinha conversado com meu tio e ele tinha dito que não tinha problema nenhum, que então me colocaria num ônibus até a cidade e meu tio me buscaria na rodoviária da cidade. Perguntei se não tinha problema mesmo e ele me mostrou a conversa deles no Whats:
Pai – Fala irmão, o Lucas tá querendo ir passar o feriado aí na fazendo com você. Quer apresentar a namoradinha nova dele.
Tio – Fala Jorge, seu puto. Manda os moleques pra cá que cuido deles. E aí, o guri tem bom gosto pra mulher?
Pai – Porra, Roberto. A mina tem 15 anos e é minha nora né. Você acha que vou ficar reparando essas coisas??? kkkkk 😉
Tio – To zoando apenas meu velho. Mas uma novinha é sempre uma novinha, não tem como não repara.
Pai – É pra cuidar deles e não aprontar com eles, deixa a Sonia ver essas coisas.
Tio – Relaxa. Você sabe o respeito que tenho por todos vocês. Apenas para descontrair. E Deus me livre a patroa ver qualquer comentário desse tipo.
Pai – Mas então tudo certo? Mando ele no sábado cedo e você pega ele na rodoviária, fechou?
Tio – Fichado brow. Manda eles aqui que serão bem recebidos e bem tratados.
Pai – Fechou.
Eu li a conversa e achei meio desnecessários os comentários do meu tio, porém sabia que ele era fanfarrão, é o típico tio da piada do pavê, então levei na boa e nem dei bola praqueles comentários sobre a Isa. Até porque a Tia Sonia realmente era casca grossa.
A semana voou e no sábado lá fomos nós rumo a fazendo, duas horas de viagem de ônibus e quando chegamos meu tio já estava lá nos esperando. Cumprimentei ele, que cumprimentou a Isa com um beijo no rosto e então a apresentei:
Eu – Tio, essa é a Isabelle, estamos namorando faz uns dois meses, não seremos mesmo incomodo para vocês?
Tio – Imagina, você é sempre bem vindo Lucas. E com uma namorada linda como a Isa mostrou que tem o sangue da família e o bom gosto dos Silva.
Isa – Obrigado, tio. – ela respondeu dando um sorrisinho.
Chegando à fazendo colocamos nossas coisas no quarto, eu e Isa ainda não transávamos, pois ela era virgem e ainda dizia não estar preparada para isso. Porém já havíamos dormido juntos diversas vezes, então ninguém via problema nisso.
Arrumando nossas coisas fomos para a cachoeira que tinha ali perto da fazenda passar a tarde. Fomos apenas eu, a Isa e o tio. Tia Sonia ficou preparando a janta na casa.
Chegando lá, já tiramos as roupas ficando apenas de biquíni e já entramos todos na água para refrescar. A água estava gelada, mas o calor era imenso, então foi uma delícia nos refrescar naquela água.
Após um tempo a Isa resolveu sair e tomar um pouco de sol, meu tio resolveu acompanhá-la e eu fiquei, pois queria aproveitar ao máximo aquela água maravilhosa que não via há tanto tempo. Então fiquei de boa lá nadando e a Isa ficou conversando com meu tio, achei bom até eles terem aquele momento, assim poderiam se conhecer melhor e se entrosarem. E percebi que logo os dois já tinham se dado super bem, meu tio fazia piadas pra ela e ela ria abertamente para ele, ele gesticulava e apontava alguns lugares, acredito que falando sobre a região e sobre sua fazenda e assim foi até começar a escurecer, então também sai e fomos todos embora.
Chegando à casa tomamos um banho e colocamos uma roupa leve devido ao calor. Eu e meu tio ficamos sem camisa e de shorts apenas, a Isa colocou uma blusinha de algodão e um shortinho desses de dormir também bem levinho e curtinho e minha tia com roupas normais de ficar em casa também. Jantamos e depois fomos assistir a um filme na Netflix pra passar o tempo. Minha tia também gostou da Isa.
Depois de um tempo, quase na metade do filme, minha tia disse que tinha sobremesa para pegarmos. Meu tio se levantou e eu ameacei levantar também para ajudá-lo, mas a Isa falou, deixa amor, deixa que eu vou, quero ser útil também. Eles foram até a cozinha então pegar os doces e as vasilhas, ouvi a Isa falando “Uhn, cuidado tio…”, perguntei se estava tudo bem e responderam que sim. Escutei mais alguns barulhos, acredito que de talheres e das vasilhas sendo retiradas do armário e logo os dois voltam rindo.
Isa – Seu tio é muito bobo, amor.
Eu – O que foi?
Isa – Nada demais, ele é muito serrista, pra tudo ele tem uma piada. – e riu
Meu tio também riu ao lado da minha tia. Comemos o doce, acabamos de ver o filme e resolvemos ir dormir para no outro dia acordar cedo.
Deitei com Isa, tivemos uma sessão de pegação, amasso, passadas de mão, mas nada além disso, como sempre, até que resolvemos dormir de fato. No meio da noite acordo com calor e vontade de ir ao banheiro e vejo que a Isa não estava na cama, acendi a luz, vi o celular dela de canto e peguei ele e vi que tinha uma mensagem do meu tio dizendo “Pode vir, vem rápido!!!”
Apesar de estranhar, sei como meu tio gosta da vista do céu na fazenda e como ele se gaba em poder desfrutar daquele céu, diferente do que temos na cidade grande, lá conseguimos ver todas as estrelas, a lua, vagalumes e muito mais que na cidade não conseguimos, desconfiei que ele estivesse a chamando para apreciar o céu da madrugada. Levantei, fui até o banheiro e quando sai a Isa já estava voltando, ela me deu um beijo gostoso na boca e me puxou para o quarto.
Isa – Amor, seu tio me levou para mostrar o paraíso, tínhamos combinado lá na cachoeira que ele iria me chamar de madrugada para ver o céu na fazenda, é algo realmente incrível né?
Eu – Realmente, amor. O céu aqui é um paraíso.
Isa – Amor, já que estamos acordados, quero te fazer uma surpresa. Esse céu, a fazenda, esse clima, me deixaram cheio de tesão. Não estou pronta para transar ainda, mas se quiser deixo você me chupar bem gostoso, aproveita que estou toda molhadinha.
Eu na hora topei e comecei a beijar ela e fui tirando sua camiseta, desci, chupei os peitinhos, primeiro um, depois outro, continuei descendo, barriguinha, umbigo até chegar ao caminho da felicidade, ela já estava gemendo e eu estava mais duro do que diamante. Puxei o shortinho dela e a hora que ela abriu a perna percebi o como ela estava molhada de excitação, era tanto que até escorria de dentro dela aquele melzinho. Não pensei duas vezes e cai de boca, que delícia de bucetinha, rosinha, lisinha, toda cheirosinha.
Me acabei de chupar aquela pepequinha novinha e pequeninnha. Fiquei quase 15 minutos ali chupando e lambendo ela todinha sem parar, a Isa gemia gostoso com minhas lambidas e se contorcia na cama não aguentando de tanto tesão, até uma hora que ela segurou minha cabeça e começou a rebolar na minha boca e mais líquido saiu de dentro, que delícia de melzinho, bebi tudo, deixei aquela bucetinha limpinha e ela estava extasiada. Porém eu ainda estava duro e pedi para ela ao menos bater uma pra mim, ela fez dengo, falou que estava morta do orgasmo que ela teve, que ela ficava me beijando para eu me masturbar e que prometia que iria me recompensar logo. Então acabei aceitando e em menos de dois minutos gozei de encharcar minha cueca. Nunca tive um orgasmo tão forte como aquele.
Ambos em frenesi total, caímos exaustos na cama e apagamos até o tio vir nos acordar na manhã seguinte para o café da manhã.

Na manhã seguinte meu tio chegou ao nosso quarto, batendo na porta e anunciou que o café estava na mesa. Acordamos varados de fome, acho que toda a adrenalina da noite passada sugou nossas energias. Tomamos leite com café, pão, manteiga, mortadela, queijo, presunto, requeijão, mamão e suco de laranja. Uma bela mesa de café da manhã, típico de fazenda do interior paulista mesmo.
Em seguida eu e Isa voltamos para o nosso quarto e devido ao calor que fazia já cedo (não disse no outro conto, mas era feriado da República, portanto estávamos em novembro) e ao tanto que suamos na madrugada, Isa resolveu tomar um banho, enquanto isso fiquei deitado esperando a minha vez.
Foi aí que vi o celular dela ao lado da cama e, como nunca tivemos segredos e era costume um mexer no celular do outro, peguei para dar aquela xeretada básica, sem pensar em maldade na verdade. Foi então que vi que após eu dormir ela havia conversado mais com o meu tio:
Isa – Pronto ele já dormiu.
Tio – E aí, deu certo? Fez o que eu te falei?
Isa – Aham
Tio – … e o que ele achou da surpresinha?
Isa – Ele adorou, tive um orgasmo maravilhoso com ele me chupando todinha.
Tio – E o sabor? O que ele achou?
Isa – Ah, tio. Na verdade ele não comentou. Mas do jeito que ele caiu de boca e não largou mais acho que ele deve ter aprovado
Tio – …. então bora dormir agora minha sobrinha sapeca. Que amanhã o dia promete e tem muito ainda a ser aproveitado na fazenda do tio aqui.
Isa – …. boa noite titio. Bjs.
As mensagens paravam por ali. Ao ler aquilo fiquei meio confuso, não sabia direito o que tinha acontecido, o que será que eles haviam combinado, por que davam tanta risada. Li novamente e ainda não conseguia entender o contexto daquela conversa. Decidi que iria questionar a Isa, por que não gostava de segredinhos.
Quando ela entrou no quarto, nem dei tempo dela falar nada e já perguntei:
Eu – Amor, o que você estava falando com o tio ontem à noite?
Isa – Ué, está claro a nossa conversa, não sei o que você não entendeu.
Eu – Clara? Você tem certeza? Não consigo imaginar o que pode ter acontecido entre vocês.
Isa – Ai amor, não seja bobo. Ontem quando fomos ver o céu ficamos um bom tempo conversando, aí ele perguntou as quantas andava nosso relacionamento e eu disse que estava ótimo, mas ainda não tínhamos feito sexo. Então ele começou contar do começo de namoro entre ele e a tia Sonia, que também era tímida e demorou a querer transar a primeira vez. Aí ele me contou que foi convencendo ela ir liberando aos poucos e começou com ele chupando ela. Aí ele sugeriu que eu fizesse isso com você, senão ia acabar te perdendo. Foi ele que sugeriu que fizéssemos o que rolou ontem à noite.
Meio na dúvida reli toda a conversa e, não é que o que ela estava me falando fazia sentido com a conversa que eles tiveram? Reli ainda mais uma vez por precaução e falei:
Eu – Esse tio Roberto é safado mesmo amor. Mas que bom que viemos aqui, acho que ele é uma boa influência sobre você.
Isa – Eu amei o seu tio, amor. Acho que ele vai ser uma ótima influência sobre nós dois.
A manhã prosseguiu então normalmente, meu tio foi tomar conta da granja, minha tia começou fazer os serviços domésticos e eu e a Isa fomos para piscina nos refrescar e aproveitar que na cidade não era sempre que tínhamos água à vontade a nossa disposição.
Quando foi por volta das 13h meu tio voltou da granja, eu e a Isa estávamos ainda na área da piscina, mas apenas deitados e conversando em espreguiçadeiras devido ao forte sol que fazia. Meu tio então nos chamou que o almoço seria servido e que tia Sonia iria precisar sair meio que às pressas. Entramos e almoçamos, ao final a tia Sonia diz que houvera um problema com o inventário de seu pai na cidade que ela nascera e ela teria que ir até lá para resolver o problema, provavelmente só voltaria no próximo final de semana. Entendemos a situação e demos apoio a ela dizendo que tudo se resolveria e lá pelas 16h ela partiu rumo a sua cidade natal.
Eu e Isa resolvemos ir novamente para a cachoeira pouco antes da tia Sonia sair e o tio Roberto voltou até a granja, pois havia recebido uma encomenda bastante grande e precisava acelerar o serviço.
Na cachoeira (embora não seja particular da fazenda do meu tio, ela fica bastante afastada e com uma trilha bastante fechada, por isso dificilmente alguém ia até lá que não fosse conhecido do meu tio) chegamos já arrancando a roupa e pulando na água gelada. Nadamos, brincamos de espirrar água um no outro, aquela coisa inocente de casal em início de relação. Aí tive a ideia de nadarmos pelados. A Isa ficou preocupada com a possibilidade de alguém aparecer lá, até mesmo o tio Roberto, mas eu disse que não teria perigo e ela acabou aceitando.
Arrancamos a roupa e naquele momento já nos pegamos e começamos a nos beijar, sem roupa ficava ainda mais gostoso e o clima foi esquentando. Então eu disse:
Eu – Amor, você poderia retribuir como disse ontem à noite né?
Isa – A não, agora não. Está tão gostoso. Vamos apenas aproveitar a água gelada e ficar agarradinhos que está uma delícia.
Eu – Por favorzinho.
Isa – Vem, me beija então safado.
Eu comecei beijar ela, ambos bem agarradinhos e ela começou a bater punheta pra mim dentro do rio mesmo, instintivamente eu comecei a tocar nela também e assim ficamos, nos beijando, nos tocando e gemendo muito. Aquilo tudo estava muito bom para terminar, mas tudo que é bom uma hora acaba e uns 10 minutos depois ela começou a ficar ofegante e gemer mais forte e teve outro orgasmo, agora na minha mão. Ao ver aquilo não aguentei e acabei gozando horrores também.
Nos olhamos rindo, demos mais um beijo caloroso e resolvemos que era hora de ir embora.
De volta a casa o tio Roberto disse que, como a tia Sonia teve que sair e ele não teve tempo de se preparar, pois foi tudo de repente, ele havia pedido pizza para jantarmos. Eu e Isa adoramos a ideia, iríamos comer pizza assistindo Dr. Estranho que, embora ainda estivesse no cinema, meu tio já havia conseguido um daqueles piratão (lembrando que a história se passa em 2016).
A noite foi uma diversão, meu tio havia pedido mais pizzas do que o necessário, ele tomando uma cervejinha, eu e a Isa ficamos com medo e acabamos ficando apenas no refrigerante, o filme era muito bom, cheio de efeitos especiais e muitas piadas. Após todos terem comido mais do que o suficiente, deu aquele momento em que todos ficam em silêncio apenas pensando na vida, no caso ficamos assistindo apenas o vídeo. Era legal ver como meu tio e a Isa tinham se entrosado tão bem, tanto que eu fiquei deitado no sofá e ela ficou deitada no chão com ele, apoiou a cabeça no peito dele e parecia bastante confortável para assistir, preferi nem incomodá-la para que ficasse comigo, já que aquilo não me incomodava pelo fato de ser meu tio.
E assim foi o resto da noite, ainda vimos mais alguma coisa na televisão, mas nada de interessante que nos prendeu a atenção e em determinado momento ouço o celular da Isa vibrando e ela rindo e conversando com alguém. Perguntei quem era e ela me disse que era uma amiga dela falando da baladinha que tinha ido na noite anterior e que acabou traindo o namorado.
Eu – É a Sophie?
Isa – Ela mesmo.
Eu – Eu disse pro Enzo que não valia a pena namorar ela, ele é muito trouxa, certeza que ia levar galha mesmo.
Tio – Verdade, Lucas. Homem quando não dá assistência, abre concorrência. Ainda bem que você acertou em cheio e está com essa guria super ponta firme aqui que vai nos dar muita alegria ainda, não é mesmo Isa?
Isa – Com certeza tio!!!!
Ela e meu tio riram, eu no instinto acabei rindo também, pois realmente havia tirado a sorte grande com a Isa. Passado mais algumas horas, começamos a ficar com sono e resolvemos nos deitar.
Acordei novamente com vontade de ir ao banheiro no meio da noite e novamente a Isa não estava lá, dessa vez o celular dela também não estava, olhei para o meu e vi que tinha uma mensagem dela:
Isa – Amor, estava muito calor e não conseguia dormir, resolvi dar uma volta pela fazenda se você acordar pode ficar tranquilo que não vou sair de perto da casa e nem ir aonde não conheço.
Fiquei mais aliviado e fui até o banheiro e depois fui até a cozinha beber um copo de água. No meio do caminho ficava o quarto do meu tio e quando passo ouço barulhos vindo de lá, cheguei mais perto e então percebi que eram gemidos, uma moça gemia deliciosamente enquanto o cara comia ela, era algo do tipo:
Voz da mulher – Isso, que delícia, mete mais forte, vai, vai, você vai me arrombar inteira desse jeito seu canalha.
Voz do homem – Que delícia de bucetinha apertadinha e molhada. Não to aguentando, vou gozar nela todinha, sua safada, gostosa.
Saí dando risada do tio Roberto, uma noite sem a tia Sonia e não se aguentou e teve que apelar para o pornozão. Mas também não julgo, depois que começamos a transar é difícil ficar sem, e uma punhetinha resolve o problema de forma bastante satisfatória, embora não seja exatamente igual.
Resolvi ver se achava minha namorada então e sai até a varanda da fazenda, estava difícil de enxergar devido à escuridão, saí andando por ali e chamando o nome dela e nada, desci até perto da granja e nada. Voltei até próximo a casa, chamei novamente e ouço ela:
Isa – Aqui na piscina amor.
Fui até lá então e ela estava deitada descabelada na espreguiçadeira apenas de biquíni. Fui ao encontro dela:
Eu – Amor, vamos pra dentro?
Isa – Vamos, eu saí tomar um ar fresco e acabei cochilando aqui, por isso demorei. Quando você começou a gritar eu acabei acordando, mas você já tinha descido, então esperei você voltar.
Voltamos então para nosso quarto e deitamos, dei um beijinho nela e percebi que estava melada a boca dela:
Eu – O que você tem na boca que tá melada?
Isa – Ah, amor. Eu estava tomando leitinho antes de ir até a piscina. Sempre me ajuda a dormir.
Ela deu uma risadinha e outro beijo em minha boca e nos viramos e dormimos profundamente.
No dia seguinte acordamos por volta das 10h da manhã, como tia Sonia não estava meu tio não preparou o café e aproveitou para dormir até mais tarde também, já que não precisaria trabalhar na granja aquele dia.
Levantamos e fomos até a cozinha, onde estava meu tio sentado a mesa, tomando uma xícara de café e lendo o jornal:
Tio – Finalmente os pombinhos acordaram, né. Tava achando que iriam dormir o dia todo.
Isa – Bom dia tio, é que foi difícil dormir essa noite, sabe…
Eu – Acredita que ela dormiu na área da piscina, tio? Saí caçando ela pela fazenda e a bonita dormindo na espreguiçadeira.
Tio – Ah, mas ali nesse calor é um lugar ótimo para dormir, não é mesmo Isa? Olhando as estrelas, com a brisa da madrugada. Eu também gosto.
Tio – Mas venham, tomem um café, comam um pão e vamos para cachoeira. Pensei em fazermos um pic nic lá e passarmos o dia para aproveitar. O que acham?
Eu e Isa adoramos a ideia, então tomamos um café rápido, pegamos uma bolsa e enchemos de guloseimas, uma toalha para forrar o chão e fomos para a cachoeira.
Chegamos na cachoeira era por volta das 11h, mas como é um local com bastante árvore, ainda conseguimos aproveitar a água, pois havia bastante sombras, entramos os três e ficamos nadando, se refrescando e conversando sobre tudo.
Quando era por volta das 13h o sol já tinha tomado todo o rio e não tinha mais como ficar lá dentro, então resolvemos sair e almoçar o que tínhamos trazido para o pic nic. O dia estava sendo maravilhoso. Meu tio começou a contar piadas e rimos bastante enquanto comíamos. Depois do almoço foi dando aquela lezera em todo mundo, cada um meio que se jogou para um canto, mexendo nos celulares e o sono foi batendo, tínhamos que esperar mesmo a comida baixar e o sol dar uma trégua para voltar para a água e acabei pegando no sono.
Após algumas horas e um cochilo revigorante acordei escutando a voz da Isa e do meu tio ao longe, abri o olho e me levantei e não vi os dois ali por perto, fui mais perto do rio e avistei os dois lá no meio do rio, quase na parte mais funda. Meu tio carregava a Isa no colo, ela vinha abraçada na cintura dele de frente para ele e abraçada pelas nucas.
Eu – Hey, o que vocês estão fazendo aí? O que está acontecendo?
Tio – Acordou Lucas, você não sabe o que aconteceu, sua namoradinha resolveu sair nadando pelo rio e esqueceu que ele ficava fundo, acordei e ela estava quase se afogando, por sorte deu tempo de eu chegar e salvar ela.
Eu – E precisa carregar ela no colo desse jeito?
Isa – Ai amor, eu fiquei com muito medo e tive que pedir pro tio me trazer carregada, estou tremendo até agora. Vai dar de ter ciúmes do seu tio agora é?
Eu – Não, não é isso. Mas é que a posição, né…
Tio – Lucas. Relaxa, não vai falar que acha que estou transando com sua namoradinha virgem né?
Nisso ele começou fazer movimentos como se estivesse realmente comendo ela.
Isa – Ai tio, isso, come minha bucetinha vai .
Tio – Uhnnn, vou comer ela bem gostosinho Isa. Já que o Lucas não comeu ainda, vou estrear ela.
Isa – Isso, tio. Faz assim bem gostosinho .
Tio – Nossa, que delícia Isa, vou gozar nela todinha tá .
Nisso eles foram chegando mais próximos e a Isa desmontou do colo do tio e olhou pra mim com um sorriso no rosto.
Isa – Ai amor, não seja bobinho. Eu jamais faria isso né.
Tio – Ainda mais com você aí do lado podendo acordar a qualquer momento, seria muita burrice nossa né?
Realmente, onde eu estava com a cabeça, achar que meu tio poderia me trair com a Isa. Além do mais ele já era velho e bem casado e a Isa nunca tinha dado nenhum motivo para eu desconfiar dela. Acabei dando risada com eles e percebi como estava sendo infantil.
A Isa saiu da água arrumando a parte de baixo do biquíni, que ela disse que desarrumou por causa de ter ficado no colo do tio Roberto e meu tio ainda ficou um tempo dentro da água, dizendo que estava com muito calor e precisava refrescar um pouco. Resolvi entrar também para me refrescar e a Isa ficou tomando sol só nos observando.
No final da tarde voltamos para a casa e meu tio resolveu se aventurar na cozinha e fazer um jantar para nós. Até que ele era bom de cozinha, fez um arroz com um virado a paulista, torresmo e linguiça. Tudo uma delícia.
Todos já de banho tomados, roupas leves de ficar em casa, nos esparramamos no chão da sala e começamos a assistir um filme na tv, o escolhido da noite era “A festa da Salsicha” um desenho bobinho que a Isa estava morrendo de vontade de assistir e resolvemos fazer a vontade dela.
O filme começou e eu achei um pouco chato, meu tio estava mexendo no celular mais do que assistindo e a Isa estava toda entretida e rindo das piadas do filme. Fui começando a ficar com sono e perguntei a ela se acharia ruim de eu ir me deitar. Ela disse que não, que assistiria ao filme até o final e também já iria deitar.
Fui então para o quarto e comecei a mexer no celular, estava jogando esses joguinhos típicos de celular, depois comecei fuçar no Facebook e vendo um meme engraçado que sabia que a Isa iria gostar enviei para ela pelo Whats, só que o telefone dela vibrou do meu lado, aí que percebi que ela havia largado o telefone lá.
Apesar da confiança, a situação daquela tarde e as conversas anteriores me deixaram meio cabreiro, então resolvi que iria fuçar o celular dela novamente e ver se tinha conversado mais com o meu tio. Abri o aplicativo e procurei a conversa, mas não achei nada, apenas conversas com os familiares dela, uma ou outra amiga da escola e um pouco mais abaixo a conversa dela com a Sophie da noite anterior, resolvi ler então o que havia acontecido com a Sophie, porém a conversa não era exatamente o que eu estava esperando.
Sophie – E aí, miga. Como está o feriado na fazendo com o love?
Isa – Vixi, nem te conto So, está muito melhor do que eu imaginava .
Sophie – Ah, safadinha. Finalmente resolveu liberar pro Lucas?
Isa – ????
Sophie – E aí como foi? Ele percebeu que você não era mais virgem? Aliás, nem sei porque você disse pra ele isso, aconteceu antes de você conhecer ele, não tinha porque negar, ele também já não era mais virgem.
Isa – Ai, amiga. Você não está entendendo….
Sophie – Como assim? O que não estou entendendo? Me conta direito então…
Isa – Acho melhor não. Deixa quieto essa história. Apenas acredite que está sendo ótima a viagem.
Sophie – Ah, não. Agora você vai me contar.
Isa – Promete que fica apenas entre nós?
Sophie – Claro né. Jamais falaria nossos segredos pra ninguém.
Isa – Então, na verdade não foi com o Lucas que eu transei. Foi com o tio dele.
Sophie – Não, mentira que você deu dessa. Você deu pro tio do seu namorado com ele aí? E ele, como não percebeu nada?
Isa – Ah, também não sei. Porque ele praticamente me pegou com a boca na botija. Na primeira noite que passamos aqui, estávamos na cachoeira a tarde e uma hora fiquei conversando sozinha com o tio e o Lucas nadando, aí papo vai, papo vem, o cara é um safado e você sabe do meu fraco por caras mais velhos né. A conversa foi esquentando e ele combinou que me levaria a noite na área da piscina para “ver estrelas”. Bom, de madrugada quando todos foram dormir, demos um tempo pro Lucas e a esposa dele pegarem no sono e ele me mandou uma mensagem falando para ir encontra ele e de fato ele me fez ver estrelas, amiga. Chegando na área da piscina aquele puto estava apenas de shorts e ao me ver já colocou o pau pra fora e que pau, acho que tinha uns 18cm, mas era muito grosso, lindo e pronto para a ação. Ele viu que eu fiquei paralisada e admirando o pau dele e falou firme comigo, mandando eu ajoelhar e cair de boca. Nem pensei duas vezes, abaixei e comecei a enfiar na boca aquela tora, não conseguia enfiar mais do que um terço de tão grossos que era, mas fui me esforçando, ele pegava meu cabelo e tentava enfiar mais, tirava e batia na minha cara, falando que putinha tinha que tomar surra de rola, que era disso que as cadelinhas dele mereciam. Colocou eu pra chupar as bolas, enfiou mais na minha boca, me levantou e me jogou de quatro numa espreguiçadeira. Pedi pra ele ir com carinho, porque apesar de não ser virgem só tinha feito uma vez. Você acredita que ele me disse “Cala a boca, putinha. Você é minha cadelinha e eu vou te usar como eu quero.” Aquilo me deu um tesão do caralho de escorrer pela minha perna, ele chegou por trás e enfiou tudo de uma vez só, foi nessa hora que eu vi as estrelas e como vi. O bruto não deu nem tempo de eu respirar, tirou o pau quase inteiro e já socou de novo, e de novo e foi aumentando o ritmo. Eu já estava virando os olhos de tanto tesão que sentia, estava gozando horrores no pau do canalha e ele socando com força. Então ele pegou e encheu a mão dando um tapa na minha bunda. Não sei o porque, mas nessa hora eu gritei “Isso, filha da puta. Come sua putinha como ela merece. Me arromba toda seu desgraçado!” e ele me respondeu “Agora sim, assim que gosto, putinha tem que saber seu lugar que é pedindo vara do macho. Diz pra mim, o que você é minha?” – “Ai tio, que delicia, eu sou sua putinha. Arrebenta a bucetinha da sua sobrinha, vai tio!” – “Isso safada, quer pica, então toma pica!!!” E começou a bombar ainda mais forte, enrolou meu cabelo na mão e me puxava pra trás de encontro a ele, nisso já tinha gozada umas três vezes. Até que chegou uma hora que percebi ele ofegando mais forte e disse “Agora vou encher sua bucetinha de porra e a hora que entrar no quarto você vai acordar o corno do seu namorado e fazer ele beber tudinho, tá ouvindo?” – “Ai, tio. Não vou fazer isso com o Lucas, coitado.” – “Você não entendeu né putinha, eu sou seu macho, eu mando e você obedece!” Nisso ele socou bem lá no fundo e despejou muita porra, era tanta porra que começou a escorrer pela minha perna. Nessa hora eu tive um orgasmo que me fez cair sem forças na cadeira e disse que iria obedecer ele com o que ele quisesse. Então ele tirou de dentro de mim que parecia que ficou até um vazio dentro . Nisso ouvi a descarga do banheiro e resolvemos entrar correndo. Entrei na frente e dei de cara com o Lucas saindo do banheiro, acredita?
Sophie – Meu Deus, amiga. Eu não to acreditando no que eu estou lendo. E como você se sentiu com tudo isso. Você sabia que ele ia te tratar assim?
Isa – Ah, saber eu não sabia. Mas eu me senti muito bem. Ali eu aprendi o que era transar de verdade e sei que essas coisas foram apenas na hora da transa, ele me trata super bem durante o dia, mas pra transar ele é meu dono e eu a putinha obediente dele .
Sophie – Meu Deus. Estou pasma até agora. Mas me conta, e o Lucas? Você não fez o que o tio pediu pra você fazer né?
Isa – Ah, então né…. Acho que ele nunca vai chupar uma buceta tão gostosa igual a que ele chupou naquela noite .
Sophie – Você é muito safada, mas cuidado amiga. Isso pode dar ruim pra você.
Isa – Estou tentando, mas hoje a tarde a tia Sonia viajou e o tio já disse que a noite é pra eu ir pro quarto dele que vai me dar um tratamento especial.
A conversa terminava aí. Eu não estava acreditando no que estava acontecendo. Quer dizer que o “pornozão” que ouvi meu tio assistindo, na verdade era ele com a Isa, e essa não era a primeira vez, eles já tinham transado na noite que ela disse que foi ver o céu e as estrelas. Não, pior ainda, eu chupei a buceta da Isa com a porra do meu tio. Não podia ser verdade aquilo. Como ela teve coragem de fazer tudo aquilo comigo. E ainda disse que era a putinha obediente dele e que faria tudo que ele mandasse, como meu tio conseguiu dominar ela desse jeito. Não aguentei de nervoso e raiva e decidi que iria tirar satisfação com ela naquela hora. Sai do quarto e fui até a sala e chegando lá vi algo que jamais imaginaria que veria na minha vida.

Ao chegar à sala meu queixo caiu, jamais imaginei que pudesse acontecer aquilo, muito menos imaginei que eu veria aquilo. A Isa estava apoiada no sofá de quatro gemendo e revirando os olhos enquanto meu tio estava por trás nela socando com vontade a puxando pela cintura e dando tapas pesados na bunda branquinha da Isa, que já estava quase roxa na verdade de tanto apanhar.
Após um momento paralisado sem saber qual reação tomar eu olhei para eles e tentei chamar a atenção dos dois pela pouca vergonha:
Eu – Mas… Mas… Mas oq…???
Só então que eles se deram conta que eu havia saído do quarto e estava vendo eles ali. A Isa ao me ver fez cara de assustada e tentou sair da li, mas meu segurou firme ela pela cintura e ela não teve o que fazer:
Tio – Onde pensa que vai putinha? Ainda não acabei aqui com você.
Isa – Ai tio, o Lucas…. ai, isso… para tio… o Luuuuu…. não para não. – ela então olhou para minha direção – Ai Lucas, desculpa, mas o pau do seu tio é uma delícia. Soca tio, não para, acaba com sua putinha vai….
Tio – Isso mesmo, e você não fique com essa cara de paisagem aí Lucas. Você já tinha visto a gente transando hoje a tarde na cachoeira, ou você realmente não percebeu aquilo.
Enquanto ele falava ele ia metendo com mais força ainda na minha Isa que agora já gemia sem medo de que eu ouvisse e pedia cada vez mais e mais. Ele deu mais um tapa na bunda dela e puxou pelo cabelo o rosto bem pertinho dele e falou:
Tio – Sabe Isa, eu ia fazer você ser minha putinha exclusiva e em segredo, mas já que o corninho apareceu, que tal ele ser meu putinho junto com você? Heim???
Isa – Aí tio, faz o que o quiser, é você que manda aqui porra…. ai…. gostoso.
Tio – Escutou né Lucas? Agora vocês dois são minhas propriedades, chega aqui que irei precisar dos seus serviços.
Eu – O que? Você ficou louco? Você é um canalha, sem vergonha. Deixa a hora que eu contar tudo para seu irmão o que você aprontou. A Isa ainda tem 15 anos, você vai ter que responder na justiça.
Mas naquela hora, aconteceu algo que eu não estava preparado e fez eu perder totalmente o domínio que tentava impor e sai totalmente dos trilhos.
Isa – Ai amor… não vai criar confusão com seu tio atoa né. Afinal ele não fez nada sem meu consentimento. Então fica quietinho e vem obedecer nosso dono que vai ser melhor pra todo mundo.
Nisso meu tio começou a gargalhar:
Tio – Tá vendo corninho, a Isa já aprendeu quem manda e quem obedece aqui. Vai contrariar ela? Vem aqui agora que já vou gozar nessa putinha e você vai limpar tudinho, pois não quero porra pingando no carpete da sala.
Por algum motivo aquelas falas e aquelas ordens mexeram comigo, fiquei com muita raiva e a vontade era voar pra cima dos dois e brigar muito com eles. Mas conforme eu ia ficando parado eu percebi que estava ficando excitado com tudo aquilo, foi quando meu tio me matou de vez:
Tio – Vamos, Lucas. Dá pra ver que está de pau duro daqui. Vai falar que não está gostando da situação. Vem aqui agoraaaaaaa…..
Nisso ele puxou a Isa com vontade contra o corpo dele e começou a tremer gozando dentro dela, deu mais umas duas bombadas e saiu de dentro, colocando ela deitada no chão. Ele só olhou pra mim nessa hora e eu já sabia o que tinha que fazer. Fui até ela, me abaixei na frente dela e meio que em estado de transe comecei a chupar aquela bucetinha gozada pelo meu tio como se fosse a coisa mais deliciosa do mundo, ela gemia alucinadamente com a minha chupada e eu fui engolindo tudo que saía lá de dentro. Ela segurava minha cabeça, arranhava minhas costas em êxtase de tudo aquilo. Meu tio ainda me provocou:
Tio – Isso meu sobrinho, toma todo o leitinho do titio vai. Não quero ver um pinguinho dele sobrando heim…. vou tomar um banho enquanto você acaba de limpar minha bagunça aí.
Nisso ele saiu da sala. Mas eu nem me importei, tudo que eu queria naquele momento era lamber mais e mais aquela bucetinha deliciosa. Em determinado momento ela cruzou as pernas por cima da minha costa e prendeu minha cabeça com as duas mãos e forçou ainda mais a buceta dela dentro da minha boca e começou a ter mais um orgasmo na minha boca. Nunca achei que uma mulher pudesse soltar tanto líquido nessa hora e eu aproveitei cada gotinha do que saía dela, já nem sabia mais se era dela ou do tio Roberto.
Caímos um do lado do outro com as forças acabadas, ela veio então e me deu um beijo na boca e falou:
Isa – Gostou amor? Agora somos os escravinhos do tio Roberto.
Eu não respondi nada só fiquei ali olhando para cima e pensando no que havia acontecido. Ela me deu mais um beijo apaixonado em mim. Então olhei pra ela e disse que também queria gozar. Mas ela disse simplesmente que estava cansada e que não ia conseguir, que era pra eu bater uma punheta que ela ficaria do meu lado pra me incentivar. Fiquei de cara fechada com aquilo e acabei não fazendo nada.
Meu tio saiu do banho e foi pro quarto dele, em seguida a Isa foi para o banho também. Sai e fui para nosso quarto esperar ela para conversar sobre tudo aquilo. Mas para minha surpresa ela entrou no quarto apenas com a toalha enrolada no corpo e disse:
Isa – Ai, amor. Já não preciso esconder nada de você né? Melhor assim, irei passar a noite com o tio no quarto dele. Espero que não se importe. Eu te amo.
Me mandou um beijo e saiu em direção ao quarto do tio. Não estava acreditando naquilo, feito de corno pelo meu próprio tio, submisso a ele junto com minha namorada e ainda ia ter que passar a noite sozinho enquanto ela passava com ele? Com certeza eles iriam transar a noite toda e eu iria ficar ali literalmente na mão.
Irritado e sem saber o que pensar da situação, fui tomar um banho gelado para refrescar e depois fui até a área da piscina. Peguei umas cervejas que tinha do meu tio e não quis nem saber, já estava tudo na merda mesmo, ia extravasar naquela noite. Devido ao calor me joguei na piscina e fiquei na beira bebendo, queria ficar bêbado para passar de pensar naquilo. Fiquei ali por muito tempo, já estava na 8ª latinha e devia passar bastante da meia noite já quando a Isa chegou na varando toda vermelha e suada, com o cabelo todo bagunçado. Ela tinha uma cara de felicidade e falava comigo como se estivesse rindo, não era deboche, era apenas felicidade mesmo.
Isa – Amor, precisamos de você lá no quarto. O tio pediu pra você ir lá agora pra nos ajudar.
Eu – Não. Fiquei pensando aqui sobre tudo e não quero isso pra mim. Se você quiser tudo bem, é um direito seu. Mas pra mim não vai rolar.
Isa – Mas que teimoso que você é, você vai mesmo terminar comigo por causa disso?
Eu olhei pra ela com cara de irritado, mas fiquei firme na minha posição de que não iria com ela. Ela me olha e diz:
Isa – Bom, o tio disse que vai vir aqui se você não for lá.
Eu – Então que venha, pois eu não irei sair daqui.
A Isa então saiu e voltou pro quarto do meu tio, pouco depois vejo ela voltando e logo atrás vejo meu tio vindo, os dois pelados. Foi então que vi pela primeira vez o pau do meu tio de verdade. Aquilo era um tronco de árvore de tão grosso, de cumprimento não era nada especial, mas de grossura, meu deus. Como a Isa havia aguentado tudo aquilo, e o tio não pegava leve com ela ainda por cima. Fiquei pensando no estrago que deveria estar a buceta dela, na hora que chupei nem fiquei prestando atenção, o tesão era tanto que eu só chupei.
Os dois chegaram, a Isa entrou na piscina e o meu tio sentou na beirada. A Isa chegou por trás me abraçando e beijando minha nuca. Meu tio então vira e fala:
Tio – Lucas, é o seguinte. Preciso comer um cuzinho, mas sua namoradinha está fazendo manha e não quer dar pra mim, então ela sugeriu que eu comesse o seu e poupasse o dela.
Eu – Vocês ficaram loucos? Corno eu posso até ser, mas veado eu não sou.
Tio – Lucas, vocês não vão se separar e eu vou ser o dono de vocês e sempre virão aqui para eu me deliciar com essa novinha e você nos servir. Os dois serão bem obedientes, a Isa já entendeu como vai funcionar, acho que você não vai criar caso né?
Eu – Isso não vai acontecer. Jamais.
Tio – Venha Lucas, comece dando uma mamada para se acostumar.
Nisso ele pegou naquela tora e ficou apertando ela e me chamando para ir. Nunca senti atração por homem na minha vida e também não estava sentido nada pelo tio, mas apesar disso estava com tesão pela situação.
Tio – Venha Lucas.
A Isa ainda estava me beijando por trás, ela me virou e me deu um beijo de tirar o folego. Acho que nunca tinha recebido um beijo tão gostoso igual aquele.
Isa – Lucas, nós não vamos te obrigar a nada. Mas sabemos que você quer, e não fale que não porque estou sentindo o seu pau duro desde a hora que entrei aqui.
Lucas – Ele está assim por causa de você me beijando.
Isa – Lucas, você pode mentir para nós, mas não pode mentir pra você. – Nisso ela me deu outro beijo daqueles – vai lá e chupa o tio e faz o serviço direitinho vai.
Ela falou isso e continuou me beijando, mas foi me levando em direção aonde o tio estava e quando estávamos com o rosto já colado naquele pau imenso do meu tio, ela parou de me beijar, deu um beijinho no pau dele, me olhou no fundo dos olhos e disse com a voz mais sexy que já ouvi:
Isa – Agora é com você.
Não sei como aquilo estava mexendo comigo de uma forma que eu entrava em transe e não pensava nas consequências, eu apenas abri a boca e comecei mamar com gosto a tora do meu tio. Era muito grossa, não entrava nem até a metade e ele também não forçou, apenas se inclinou pra trás e ficou curtindo a mamada.
Tio – Isso, Lucas. Sabia que levava jeito pra isso. Que boquinha deliciosa, mama o titio, mama. Isso, assim…. delícia.
Depois de um tempo mamando, ele segura minha cabeça e tira do seu pau, olha pra mim e diz, apoia aqui na beira que vou te comer bem gostosinho. Eu não tinha nem reação mais, eu apenas seguia por impulso e me apoiei na beirada da piscina deixando o caminho livre pro meu tio que pulou na piscina e já veio por trás de mim. Ele chegou e já foi colocando o pau na direção do buraquinho e começou forçar. Na primeira forçada doeu horrores e eu meio que voltei a realidade, eu gritei e pedi para ele parar que eu não queria aquilo. Ele com toda paciência, disse para relaxar que seria bom, para pior a Isa entrou na minha frente ainda dentro da piscina e começou me beijar, nisso a sensação de transe foi voltando (vale lembra que já estava bêbado por ter tomado todas aquelas cervejas), fui voltando ao êxtase, senti o tio forçando de novo e doendo, mas apenas gemi de dor dessa vez e não falei nada, a Isa parou de me beijar e subiu na beira da piscina e disse para eu chupar. Comecei chupar bem gostoso, estava limpinha daquela vez, então foi me dando mais e mais tesão e quando senti outra forçada do meu tio já tinha ido tudo, só ouvi a voz dele no meu ouvido:
Tio – Pronto, Lucas. O pior já foi meu putinho. Agora aguenta o tranco.
Com isso ele começou bomba forte no meu cu e eu chupando a minha namorada com prazer. Não dá pra descrever o tanto de prazer que comecei a sentira naquele momento, tio Roberto percebendo que não havia mais resistência de minha parte começou a socar forte e dar tapas na minha bunda como fazia com a Isa quando peguei eles a primeira vez.
Tio – Que delicia de cuzinho, meu sobrinho. Vou querer comer ele sempre de agora em diante. Você e a Isa vão ser meus putinhos. Ainda mais agora que a tia Sonia está se separando de mim, vou querer vocês sempre aqui para me satisfazer.
Eu apenas gemia, gemia e chupava a xaninha da Isa. Não estava mais me aguentando de prazer e quando menos percebi estava gozando, não havia nem encostado a mão no meu pau, mas gozava horrores e com isso eu comecei a gemer, gemia alto e com vontade.
Ao perceber isso meu tio aproveitou pra meter com mais velocidade e força ainda, eu gritava e a Isa começou a dar tapas na minha cara.
Isa – Isso putinho do tio, geme na rola do tio, geme. Meu corninho veadinho. Geme gostoso e me chupa pra gozar na sua boca seu corno.
Aquela suruba estava deliciosa, ninguém parecia querer parar com aquilo, senti meu tio começar enfiar com muita força e por instinto comecei a chupar mais forte também a Isa e então o clímax máximo da noite, ao mesmo tempo a Isa gozou na minha boca e meu tio encheu meu cuzinho de gala, eu não consegui gozar de novo, mas a Isa disse que eu merecia e entrou na água e começou a bater uma pra mim que logo gozei novamente depois dentro da piscina mesmo.
Ficamos jogados ali na piscina por um tempo até que meu tio diz:
Tio – Bom, hora de entrar e dormir um pouco. Amanhã às 14h vocês precisam pegar o ônibus pra voltarem pra casa e já são 3h da manhã. Vamos que logo vocês estarão aqui de novo.
Fomos para o quarto e, achando que ia pelo menos passar o resto da noite com a Isa, ela me dá um beijo e diz:
Isa – Amor, vou passar o resto da noite com ela, mas não se preocupe que agora apenas vamos dormir mesmo. Quero aproveitar o restinho de tempo que ainda temos.
Fui então sozinho e com um certo peso na consciência que bateu quando a adrenalina e a bebida foram baixando. Mas estava tão exausto que dormi igual um bebê no resto da noite. Acordamos já perto da hora de ir para a rodoviária. Meu tio deu pão e café para comermos e não passarmos fome na viagem e mais um dinheiro para comprarmos algo no caminho e fomos para a rodoviária. Ao chegar lá meu tio parou meio afastado embaixo de umas árvores, um lugar meio fora de rota e eu estranhei. Perguntei por que ele havia parado ali. Aí ele me olha com cara de safado:
Tio – Você não acha que vou embora sem me despedir da boquinha da minha putinha né?
Nisso ele abaixa a calça e a Isa me olha com cara de quem pedia desculpa, mas iria fazer do mesmo jeito e começa mamar ele com vontade, ela já estava ficando acostumada que já chegava a conseguir colocar mais da metade dentro da boca. Ficaram naquela putaria por uns 10 minutos até que meu tio segurou a cabeça da Isa e gozou fartamente dentro da boca dela. Ela então tirou a boca e antes de engolir me puxou pelo pescoço e me beijou com muita vontade, tive que sentir e trocar a porra do meu tio com ela e engoli muita porra naquele momento e ela também.
Demos tchau para meu tio, descemos e fomos em direção ao ônibus. Passamos a viagem toda sem nos falar, ela inda tentou puxar conversas aleatórias, mas eu apenas ignorei. Chegamos e fomos cada um para nossa casa e passei quase um mês sem falar com a Isa. Não havia terminado e nem pedido tempo, apenas parei de falar com ela, apesar da insistência dela de tentar me contatar.
Após isso nos encontramos em uma festa de amigos em comum e a saudades bateu, tanto minha quanto dela e acabamos ficando, ela me disse que tinha voltado na fazenda fazia uma semana e que seu tio estava chateado por eu não ter ido. Mas daquele dia em diante ela não foi mais sozinha pra fazenda, eu acabei aceitando tudo aquilo e acabamos sendo os escravinhos do meu tio. Apesar de tudo quando estamos na cidade somos um casal normal e não temos vontade de ficar com outras pessoas. É apenas na fazenda do meu tio que as coisas mudam e a putaria acontece.

igorhunsaker