"SANTA"

Fascinação, o que é fascinação? Algo que me causa arrepio na pele por este teu jeito de menina num corpo de mulher, que me enche de desejos. Não sei direito, mas, to achando que isso é a raiz de um amor.

MALENA…

MALENA…

Todos os dias, fizesse sol ou não, eu me afastava dos amigos e procurava um lugar para sentar no entorno do chafariz da praça; sempre no mesmo horário …, o horário em que ela passava …, ela …, Malena! Aquele rosto lindo emoldurado por longos cabelos pretos ondulados cujo sorriso iluminado exercia sobre mim quase um efeito hipnótico; e não era apenas isso! Havia a sensualidade de seu caminhar e a deliciosa silhueta que preenchia com perfeição os vestidos estampados com decotes generosos, proporcionando um pequeno delírio em quem se aventurasse a espiar com mais atenção.

Malena era tudo que eu sempre sonhara em uma mulher, e muito mais! Todavia, qualquer possibilidade de um envolvimento entre nós naufragava diante da realidade; eu tinha apenas dezesseis anos e ela quarenta; era casada com o melhor amigo de meu pai, que além de muito ciumento tinha fama de valentão e não permitia que nenhum homem se aproximasse muito dela …, e entre esses homens eu estava incluído por uma conclusão óbvia.

Mesmo assim, eu alimentava minha paixão oculta por Malena; nas tardes ensolaradas do verão, eu corria até a casa dela, um casarão térreo, cujas janelas amplas ficavam sempre aberta durante essa estação para que o vento passeasse em seu interior. Vencia a cerca baixa de madeira, me esgueirava por entre girassóis, rosas e cravos e escondido atrás de um banco de terra gramada eu ficava a observar pacientemente até que ela aparecesse; em uma dessas ocasiões ela surgiu apenas com roupas íntimas, o que me deixou tão excitado que pensei que explodiria.

É engraçado como a vida nos reserva surpresas; em uma desses arroubos juvenis flagrei algo que criou uma oportunidade única para mim; do meu ponto de observação vi quando Malena e seu marido discutiam calorosamente; e como o sujeito parecia muito nervoso me assustei quando ele a segurou pelos braços chacoalhando-a com raiva; depois de um pequeno embate, ele e atirou ao chão e saiu da casa dirigindo-se para a cidade.

Seguindo meu instinto de cavalheiro, entrei na casa de Malena pela primeira vez; fui até ela que permanecia sentada no chão debulhada em lágrimas; me aproximei e assim que ela me viu lhe estendi a mão; ajudei-a a ficar de pé e conduzi até o sofá onde ela se sentou. Meti a mão no bolso da calça e tirei um lenço oferecendo a ela para que enxugasse as lágrimas; Malena sorriu e tomou o lenço nas mãos e o usou para reter as lágrimas que ainda rolavam.

Olhou para mim com ternura e agradeceu a gentileza; eu estava incapacitado de proferir palavras, aturdido com a situação e também com aquele sorriso avassalador; repentinamente, ela estendeu a mão e acariciou meu rosto me chamando de menino bonito; em seguida, aproximou seus lábios e beijou minha face; fiquei enrubescido sem saber o que fazer ou dizer. Assim que ela me devolveu o lenço fiz menção de ir embora, mas ela não permitiu.

-És um gentil cavalheiro, meu rapaz! – disse ela com sua voz doce e aveludada – Queria que mais homens fossem assim como tu!

-Obrigado …, a senhora é muito bonita! – respondi com a voz embargada e hesitante.

-Hummm, além de cavalheiro és também um galanteador! – emendou ela com doce sorriso – Quantos anos tens?

-Quase dezoito! – respondi com certo orgulho – Já sou um homem!

Malena não se conteve e caiu em uma risada solta, o que me deixou enfurecido a ponto de tomar seu rosto entre minhas mãos e colar meus lábios aos dela demonstrando que sabia beijar; Malena reagiu empurrando-me sem se afastar; mirei seus olhos e eles pareciam ganhar brilho próprio; ela permaneceu algum tempo me fitando até que segurou meu rosto e colou seus lábios aos meus; nos beijamos! Foi um beijo tórrido e ousado que me deu arrepios e deixou-me excitado.

Quando nos desvencilhamos, Malena sorriu e em seguida olhou para minha calça onde eu tentava ocultar o volume formado na virilha. “Não precisas ter vergonha disso! É o que faz de ti um homem!”, disse ela enquanto pousava sua mão sobre as minhas, me deixando trêmulo e inseguro. Com gestos suaves, Malena tirou minhas mãos e deixou que a dela sentisse o volume apertando-o com firmeza sem tirar os olhos do meu rosto; mais arrepios percorreram minha pele enquanto meu sexo parecia pulsar.

Ela seguiu em frente, abrindo minha calça e puxando minha cueca até que meu membro surgisse rijo apontando para o teto. “Tens um belo instrumento aqui! Já o usaste com uma mulher alguma vez?”, perguntou ela com tom curioso. Não conseguindo verbalizar, limitei-me a acenar com a cabeça, confirmando minha virgindade. Malena o envolveu com uma das mãos sentindo suas dimensões e dureza; começou a me masturbar lentamente sem tirar os olhos das minhas expressões que eu me esforçava por ocultar, embora fosse impossível fazê-lo sentindo o toque quente e macio de seus dedos cingindo minha virilidade.

-Vou dar-te um mimo …, mas tem uma condição – disse ela com tom carinhoso – Jamais contes a alguém o que aconteceu aqui entre nós …, compreendestes bem?

Ainda incapaz de proferir uma palavra sequer anui com a cabeça; Malena sorriu e começou a baixar sua cabeça até que meu membro estivesse ao alcance de sua boca; no momento em que ela começou a lamber senti mais arrepios e espasmos dominando meu corpo enquanto minha mente ficava turva tomada por um incompreensível mas alucinante torvelinho de sensações que expandiam meus sentidos de uma forma que eu jamais sentira antes.

A boca quente e macia de Malena envolveu meu sexo e fê-lo desaparecer em seu interior, passando a sugá-lo com imensa sofreguidão; involuntariamente eu acariciei seus cabelos e cerrei os olhos entregando-me de vez para aquela sensação de pertencimento e submissão que depois eu descobriria ser o modo como o macho sentia-se ao receber uma carícia oral. Malena deliciou-se em saborear meu sexo e eu também apreciava demais …, entretanto, para um jovem despreparado o orgasmo explodiu sem aviso, inundando a boca dela com meu sêmen.

Fiquei ainda mais surpreso ao olhar para seu rosto e notar um sorriso maroto e os lábios úmidos não entendendo o que ela fizera com minha carga; Malena se levantou e foi até o lavabo. “Agora, recomponha-se rapaz! Você precisa ir!”, disse ela com tom firme, mas ainda carinhoso.
Saí da casa dela e caminhei como se estivesse bêbado, trocando passos e olhando para o céu que já perdia seu brilho com o sol se pondo no horizonte. Tomei um enorme susto ao chegar em casa e dar de cara com o marido de Malena; ele me encarou com aquele seu olhar ameaçador e uma expressão brutal; não sei porque, mas não dei a mínima atenção para ele …, a única coisa que ele me despertava era nojo! Homem que agride mulher é um covarde …, aprendi isso com meu pai.

Após aquele dia memorável, eu mantive meus rituais; pela manhã sentava-me na murada do chafariz e esperava para ver Malena passar; vez por outra ela enviava um olhar discreto e parecia sorrir, sempre evitando denunciar que me conhecia mais que a outros rapazes. O outro ritual também foi mantido; escondido atrás do banco de terra gramado eu esperava para vê-la; certa vez tive a impressão que ela olhou na minha direção, mas se isso aconteceu de fato, ela soube disfarçar muito bem.

Tivemos um outono chuvoso o que dificultava meus rituais; perfilado sob a marquise da Igreja eu esperava por ela; Malena passava sim, mas o guarda-chuva impedia que eu a visse com nitidez; já o outro esconderijo restou prejudicado, embora eu tivesse imensa vontade de correr todos os riscos por ela. No entanto, houve uma tarde que tornou-se memorável e também assustadora.

A chuva cessara antes do normal naquele dia e eu me arrisquei no banco de terra que estava encharcado e acabou por sujar minhas roupas; para meu azar as janelas não estavam abertas, de tal modo que após alguns minutos pensei em desistir e voltar para casa …, antes que eu pudesse fazer isso a porta de entrada escancarou-se e o casal saiu para a varanda em uma discussão que logo evoluiu para algo mais ameaçador; o marido de Malena não contentou-se apenas em ofendê-la, como partiu para a ignorância; ela ainda tentou defender-se, mas dada a compleição física do sujeito suas tentativas eram inúteis, até que algo terrivelmente brutal aconteceu: o marido de Malena, tomado por um acesso de fúria, esbofeteou-a por duas vezes.

E os golpes foram tão violentos que ela foi ao chão chorando e soluçando copiosamente; e o sujeito parecia querer mais; vi-me então, forçado a tomar uma atitude, mesmo que isso custasse denunciar minha presença e pôr Malena sob mais risco ainda; uma revolta cresceu em minhas entranhas. Desatinado, corri na direção deles e me pus entre ele e Malena que suplicou para que eu fosse embora. Me recusei, afirmando que ele não a agrediria mais.

Diante do perigo iminente de tornar-me o novo alvo da violência daquele homem rude, mantive minha firmeza e determinação; por mais estranho que possa parecer, ele baixou a guarda e recuou, saindo da propriedade sem olhar para trás; imediatamente ajudei Malena a se levantar e levei-a para dentro de casa, exato momento em que uma chuva torrencial despencou com toda a sua energia. Com uma toalha úmida e morna cuidei das marcas no rosto de Malena, cujo olhar era pura ternura e arrebatamento.

Quando terminei, ela empurrou-me contra o sofá deitando-se em meu colo; afaguei seus cabelos e deixei que ela se aninhasse junto a mim. “Você foi meu herói …, meu salvador! Como é bom ter alguém assim próximo de mim!”, murmurou ela com voz embargada; em dado momento, ela se levantou enlaçando meu pescoço com seus braços com a boca procurando pela minha.

Foram muitos beijos, sempre mais profundos, mais quentes, mais molhados, mais ousados; senti suas mãos em meu corpo, procurando por minha virilidade cuja impetuosidade já mostrava toda a sua pujança; pensei que ela quisesse repetir o que acontecera entre nós anteriormente, porém não foi isso que aconteceu …, Malena cessou os beijos e levantou-se do sofá; olhou no fundo de meus olhos com uma expressão enigmática. “Espere aqui …, quando eu te chamar, venha até mim!”, disse ela afastando-se em direção ao corredor que dava para o quarto.

Enquanto eu a via afastar-se de mim, sentia meu coração acelerar vertiginosamente ao mesmo tempo em que a respiração tornava-se mais acentuada; dentro de mim crescia a expectativa pelo que estava para acontecer; mesmo não tendo certeza, eu tinha uma estranha percepção do que viria. E quando Malena chamou por mim, senti um arrepio gostoso percorrer minha pele. Caminhando a passos hesitantes e ritmo incerto avancei em direção ao quarto de Malena …, parei na soleira da porta percebendo que havia uma suave penumbra em seu interior.

Meus olhos logo se acostumaram e eu vislumbrei Malena de pé ao lado da cama de costas para mim …, ela estava nua! “Venha até aqui, meu herói! Venha conquistar teu merecido prêmio!”, disse ela em tom sussurrado e provocante. Tremendo da cabeça aos pés avancei em direção dela; assim que me vi próximo, estendi minha mão sentindo sua pele quente e aveludada. Malena voltou-se para mim e deixou que eu apreciasse sua nudez delirantemente arrebatadora. Eu não sabia o que fazer e Malena pareceu achar isso engraçado e também atraente.

Inicialmente, ela me abraçou e novamente nos beijamos; deixei minhas mãos passearem por suas costas desnudas pressentindo a pele arrepiar-se ao meu toque; Malena segurou meu rosto entre suas mãos, sorriu e meu beijou mais uma vez; desceu uma das mãos até a mama segurando-a de tal modo que me oferecia o mamilo para ser apetecido; comecei a sugá-lo sem muita experiência e com algum receio. “Não, meu amor …, não tenhas medo, sugue-o com a vontade que está dentro de ti!”, murmurou ela meu ouvido, ampliando os arrepios ao longo do meu corpo.

Dediquei-me a sugá-lo e passei ao outro assim que ela me ofereceu; alternando um após o outro em minha boca eu lambia e sugava avidamente, ouvindo os gemidos roucos de Malena e suas mãos acariciando meus cabelos. As vezes eu parava de saboreá-los apenas para admirá-los; Malena tinha lindas mamas, perfeitamente redondas e de uma firmeza até mesmo inquietante e envolvente.

Depois de algum tempo nesse interlúdio preliminar, Malena sentou-se na beira da cama e puxou-me para ela passando a despir-me lentamente; eu percebia em seu olhar algo de lúdica inocência, como se tirar minha roupa fizesse parte de uma espécie de ritual de iniciação não apenas meu, mas também dela. Ao ver-me nu, Malena fixou seu olhar no meu e sorriu, enquanto eu sentia meu membro apoiado na palma de sua mão; ela o fitou por alguns segundos e em seguida, levou sua boca até ele.

A sensação de sua língua passeando por toda a extensão de meu sexo causou-me tantos arrepios e pequenos espasmos que eu cheguei a pensar que poderia vir a perder os sentidos ante tanto prazer proporcionado por algo tão simples, singelo, porém carregado de uma enorme carga de sensualidade.

No momento em que ela o tomou em sua boca mais uma vez, eu cerrei meus olhos e antegozei o momento; a boca de Malena exercia uma sensação única e muito especial, embora fosse apenas a segunda vez em minha vida que experimentava aquela carícia oral feita pela mulher dos meus sonhos. Somente após uma prolongada degustação, ela cessou o carinho e deitou-se sobre a cama, olhando languidamente para mim.

-Venha, meu homenzinho …, faça em mim o mesmo que fiz em ti – pediu ela em tom rouco e provocante.

Olhei para o ventre de Malena e espiei seu sexo liso e destituído de pelos; apenas a visão me envolvia de tal maneira que segui meus instintos de macho jovem e um pouco açodado; a medida em que minha língua passeava por toda a região, Malena acariciava meus cabelos e também me orientava da maneira certa de proceder sempre com voz suave e gentil; e tal foi minha dedicação que, de repente, ela soltou um longo gemido ao mesmo tempo em que minha língua foi inundada por um líquido de sabor agridoce que me causou uma inexplicável sensação de prazer. Ela me disse que havia gozado!

E após este, outros vieram ainda mais caudalosos e intensos, enchendo-me de orgulho e satisfação. “Agora, venha aqui …, me cubra com seu corpo e me preencha com teu sexo!”, sussurrou ela enquanto acariciava meu rosto. Fiz como Malena me orientou e ela incumbiu-se de mostrar o caminho para que meu membro penetrasse sua gruta que era quente e apertada; com algum esforço o encaixe sucedeu-se e eu me senti pleno dentro dela.

Malena me orientou como movimentar minha pélvis, ora sacando, ora enfiando o membro dentro de sua gruta, sempre procurando acelerar a penetração, até que ela, mais uma vez, atingiu o clímax …, só que desta vez ele pareceu mais veemente já que seus gemidos sucediam-se no mesmo ritmo em que experimentava mais gozos proporcionados por meu desempenho. Nosso idílio sexual prosseguiu como se não tivesse mais fim; foi tão inebriante que nem percebi o tempo passar.

A chuva foi e voltou mais de uma vez, acompanhada da chegada do manto escuro do anoitecer que nos encontrou ainda envolvidos em um apetitoso embate sexual repleto de indescritível prazer sensorial; Malena parecia em transe no momento em que pediu que trocássemos de posição com ela me cavalgando alucinadamente e explodindo em mais gozos insanos. Vê-la sobre mim, subindo e descendo com os cabelos úmidos e a pele suada era a visão do paraíso.

Eu segurava suas mamas, apertando-as moderadamente e também beliscando os mamilos que algumas vezes serviram para saciar minha boca ávida. O quarto cheirava a sexo, mas também tinha o odor do prazer entre homem e mulher em plena entrega; eu desejava que meu encontro com Malena não tivesse mais fim e que pudéssemos permanecer juntos para sempre! A doce inocência de um sonhador! Repentinamente, meu corpo foi tomado por uma surpreendente convulsão com músculos contraindo-se e espasmos sucedendo-se de forma descontrolada …, até que …, meu gozo eclodiu! Foi algo tão intenso e profundo que tinha a sensação de que o mundo todo rodava e que meu corpo esvaía-se em prazer …, até que tudo chegou ao fim …, dominados por um imenso cansaço adormecemos …, acordei com os gritos furiosos do marido de Malena que invadira o quarto …, a noite já dera lugar a um novo dia …

É incrível como eu ainda me lembro de tudo; anos se passaram, minha vida girou trezentos e sessenta graus mais de uma vez, mas minha memória permanece intacta …, e dentro dela, Malena é figura central e relevante de uma existência …

Era uma confusão! Um verdadeiro inferno! Eu fiquei tão atônito que não sabia o que fazer, e meu coração pareceu parar de bater ao ouvir um tiro! Olhei para todos os lados e o que vi foi Malena ajoelhada ao lado do corpo inerte do marido; ela segurava uma arma entre as mãos e chorava convulsionadamente, soluçando e ofegando. “Vá embora daqui! Agora! Vá, e não olhe para trás!”, ela esbravejava entre soluços. Eu tencionei permanecer, mas Malena não parava de gritar para que eu fosse embora …, corri como louco, mesmo sem saber para onde ir.

Uma chuva fina e fria deixou-me encharcado turvando minha visão; tropecei algumas vezes e assim que cheguei em casa tratei de me esgueirar até o quarto; era muito cedo e por isso não tive dificuldades em entrar sem ser percebido. Livrei-me das roupas molhadas e depois de me secar, vesti um calção e em enfiei debaixo das cobertas. Fechei os olhos, mas não conseguia dormir …, minha mente era um torvelinho de angústia, arrependimento e medo.

Horas depois ouvi o toque do telefone e a voz rouca do meu pai atendendo; ao desligar ele saiu correndo pela casa falando algo que eu não conseguia ouvir e chamando por minha mãe; logo, ele pegou o carro e saiu. Meu pai, na época, era uma espécie de magistrado investido pela experiência e pelo respeito de já ter sido juiz, aposentando-se e vindo a integrar um tipo de conselho que ajudava na administração da cidade. Ainda perplexo, não abri minha boca para ninguém.

Dias depois, supondo que a poeira havia baixado, corri para a casa de Malena e para minha surpresa e também decepção, o imóvel estava fechado! Havia um lacre na porta com o selo da cidade e nada mais. Quando tentei descobrir alguma coisa, obtinha apenas silêncio e reprovação; era como se ela e seu marido tivessem desaparecido no ar e todos haviam se esquecido de suas existências. Só após muita insistência, meu pai decidiu me contar o que havia acontecido.

Ele fora chamado pelo delegado de polícia quando a própria Malena compareceu perante ele confessando o crime e dizendo que agira em legítima defesa. Juntos, meu pai e o delegado, conhecedores do ímpeto agressivo do marido, concordaram com o depoimento, mas também sugeriam que Malena fosse embora da cidade, pois os rumores maledicentes acabariam com sua reputação. Eu tive vontade de contar ao meu pai que eu estava lá, mas sabia que isso não amenizaria a situação dela …, muito menos a minha!

Por semanas me senti destroçado com ímpeto de sair em busca de Malena e suplicar para ficar com ela; alistei-me não voltei para casa e me aventurei pelo mundo ainda como militar …, e foi assim que eu a reencontrei. Malena havia se estabelecido em uma cidade maior e com suas economias abriu uma floricultura. Nosso encontro foi acidental, mas ao vê-la meu coração disparou; Malena ficou assustada ao me rever, porém não conseguiu esconder um sorriso de felicidade. Passamos a nos encontrar diariamente, fosse para almoços, jantares e até mesmo ir ao cinema …, e tudo voltou!

Uma noite, estávamos na frente de sua casa e eu a tomei nos braços e nos beijamos longamente; ela hesitou um pouco, mas acabou me convidando para entrar; tomamos uma taça de vinho e ela decidiu dançar para mim; em dado momento, tomada pela euforia de Baco, Malena de despiu e exibiu-se para mim.

-Você foi e sempre será meu herói! E eu? Continuo sendo sua dama? – perguntou ela enquanto dançava com movimentos inebriantes.

Eu não respondi, apenas me levantei e a tomei nos braços; mais beijos e carícias com minhas mãos passeando pelo seu corpo desnudo sentindo sua pele quente e acetinada; tomei-a no colo e fomos para o quarto; coloquei-a na cama e depois me despi, mergulhando meu rosto entre suas pernas e tornando a saborear sua gruta tórrida e úmida; com o passar dos anos tornei-me um pouco mais experiente, no entanto, na presença de Malena eu ainda me sentia o mesmo jovem açodado e muito impetuoso.

Mesmo assim, consegui dar-lhe muito prazer; Malena se contorcia e gemia exasperada a cada orgasmo que minha boca lhe propiciava; aquele sabor e aroma que tolhiam meus sentidos eram como um néctar único que apenas minha deusa do amor era capaz de exalar a ponto de me deixar submetido à sua sensualidade. Subi sobre ela e a penetrei com o primeiro golpe, ouvindo seus gemidos prolongados comprovando quanto prazer eu como homem lhe oferecia em dedicação.

Dei início a movimentos pélvicos contundentes e a cadência e intensidade resultaram em mais orgasmos em minha Malena que gemia, suspirava e soltava gritinhos abafados com uma das mãos; exorbitei meu desempenho junto a única mulher pela qual meu corpo ainda fremia incendiado pelo desejo; cada novo golpe, cada gemido, cada sorriso dela eram meu prêmio de macho apaixonado e sequioso de sua mulher.

Atendi aos seus pedidos permitindo que ela me cavalgasse, o que fez com incrível maestria, oferecendo-me seus peitos de mamilos hirtos que dançavam dentro de minha boca saciando minha fome por eles; inclinando-se sobre mim, Malena mostrou seu lado mais deliciosamente habilidoso, movimentando cintura e quadris de tal maneira que eu tinha a impressão de que sua gruta parecia “mastigar” meu membro, o que nos levou a outro patamar de prazer. Mantive meu desempenho no melhor nível para uma fêmea fogosa que entregou-se ao prazer sem limites.

Infelizmente, minha experiência não foi suficiente para controlar meu orgasmo que explodiu sem aviso, irrigou caudalosamente as entranhas de Malena que acelerou ainda mais seus movimentos, ansiosa por experimentar o prazer proporcionado por minha volúpia incontida. Abraçados, suados e exaustos adormecemos, embora eu ainda permanecesse alguns minutos admirando o rosto de minha Malena …, sim, minha!

Mal o dia raiou e fui acordado com a boca sedutora de Malena saboreando meu sexo que correspondeu de imediato ao seu delicioso assédio oral; ela não perdeu tempo em pôr-se de quatro sobre a cama chamando-me para possuí-la mais uma vez o que fiz sem hesitações; foi mais uma cópula voluptuosa na qual propiciei a ela mais uma avalanche de prazer comemorado com gemidos e suspiros veementes e cheios de sensualidade. “Possua-me, meu herói! Faça de mim a mulher mais feliz do mundo!”, balbuciava Malena com a respiração entrecortada.

Desta vez, consegui conter meu ímpeto até o momento certo em que uma sequência de golpes mais profundos redundaram num gozo volumoso que mais uma vez inundaram as entranhas de minha Malena. “Quero ficar ao teu lado pelo resto de minha vida!”, murmurei em seu ouvido ainda ofegante, porém com pura sinceridade. Malena voltou-se para mim, sorriu e me beijou apaixonadamente.

-E assim será, meu herói! – ela respondeu em tom exultante tornando a beijar-me sem parar.

Desvinculei-me das forças armadas e através de um amigo consegui uma colocação em uma empresa que administrava imóveis industriais; com o tempo e ganhando experiência, acabei abrindo uma pequena firma de manutenção que atendia às minhas necessidades; eu e Malena passamos a morar sob o mesmo teto e nossa felicidade era tão contagiante que todos na vizinhança nutriam enorme carinho por nós. Entre quatro paredes no entanto, nos entregávamos a todas as nuances possíveis do prazer carnal.

Certa noite, ao chegar em casa, dei com Malena nua sentada no sofá da sala; ela usava apenas uma gravatinha borboleta e saltos altos; com as pernas cruzadas seu olhar era puro desejo! Copulamos ali mesmo, no chão da sala e eu mal tive tempo de me despir; outra feita, ela fez com que jantássemos totalmente nus, e fez questão ainda que somente nos entregássemos ao sexo após degustar a refeição que ela preparara especialmente para a ocasião …

Como tudo na vida não são apenas flores, a senhora da tragédia logo nos alcançou; ao retornar do trabalho certa noite de inverno fui avisado por um vizinho que Malena passara mal em sua floricultura e fora levada às pressas para o hospital; desatinado e assustado corri ao encontro dela; após uma espera angustiante, o médico veio falar comigo, e suas notícias não eram, nada alentadoras. Malena fora acometida de um mal letal e poucas eram as esperanças de cura ou mesmo de melhora.

Abandonei tudo para ficar ao lado dela, passando as noites velando sua cabeceira na enfermaria do hospital; e mesmo quando insistiram que eu fosse embora, me recusei e persisti em permanecer ao lado de minha amada Malena. Após um período de sofrimento, fui avisado que o fim estava próximo; certa noite, Malena muito fraca e ofegante me confidenciou um segredo …, ela tinha uma filha!

Sem maiores explicações, ela me fez jurar que eu procuraria por essa filha e assim que a encontrasse trouxesse para viver comigo; disse-me ainda que em seus documentos pessoais eu encontraria mais informações para localizá-la. E por mais que eu insistisse, Malena se recusou a dizer quem era o pai. “De agora em diante, o pai dela é você! Prometa-me que fará o que estou lhe pedindo?”, murmurou ela sem energia. Acenei com a cabeça e pouco depois minha Malena partiu!

Demorei algum tempo para me recuperar da perda, mas, mesmo assim, procurei cumprir a promessa feita a ela em seu leito de morte e depois de organizar meus negócios que agora incluíam a floricultura, peguei as informações que Malena tinha guardado a respeito da filha e saí em sua busca. Não foi uma tarefa muito difícil, já que as pistas indicavam para minha cidade natal; embora voltar para lá fosse algo muito desconfortável, empreendi a viagem tendo em mente que precisava cumprir a promessa feita.

Para minha sorte, as pistas levavam a um pequeno vilarejo rural nas redondezas de minha cidade natal, o que me deixou um pouco mais aliviado; não foi difícil encontrar a tal mulher a quem Malena incumbira de criar sua filha; seu nome era Luíza e era muito conhecida no local; assim que cheguei à sua casa identifiquei-me como sendo esposo de Malena e viera em busca de sua filha. “Você tem uma fotografia dessa tal Malena?”, perguntou ela com ar ressabiado. Eu sorri e saquei a única foto que tinha do meu amor; a velha olhou para a foto e acenou com a cabeça.

-Sim, é ela mesmo – disse Luíza com tom mais tranquilo – A moça que você procura está para chegar …, e eu não sei porque razão ela parecia saber de sua chegada …, até a mala ela preparou!

Assim que voltei meu olhar para trás eu a vi …, e meu coração quase pulou pela boca! A moça era exatamente Malena com traços juvenis; descobri que seu nome era Rita, nome que fora escolhido pela própria Malena; no momento em que nossos olhares se cruzaram ela abriu um enorme sorriso que iluminou ainda mais o seu rosto. “O senhor deve ser meu pai! Não é?”, perguntou ela com voz suave e límpida.

-Não, minha querida não sou seu pai, mas amei muito a sua mãe – respondi com o mesmo tom, sentindo-me enlevado ante tanta beleza e amabilidade.

-Se amou minha mãe …, o senhor é o meu pai! – ela respondeu ao mesmo tempo em que correu em minha direção e me abraçou calorosamente.

Ao sentir o abraço de Rita retribuí de imediato, apertando-a entre os meus braços e beijando sua face; quando nos separamos por um momento, ambos tinham os olhos marejados; Rita correu para dentro dizendo que pegaria sua mala; olhei para Luíza e perguntei se havia algo que eu pudesse fazer para agradecer-lhe os cuidados com Rita. “Tem sim, meu amigo …, cuide muito bem dela …, Rita é especial!”, respondeu Luíza com um olhar firme.

Durante a viagem de volta, Rita mostrava-se alegre com um olhar curioso e atento e tudo que se passava ao seu redor; mostrei-lhe a floricultura e depois levei-a para casa; apresentei seu quarto que eu preparara com antecedência. Rita ficou eufórica olhando e tocando em tudo demonstrando uma alegre estupefação. Esperei que ela se acomodasse e a noite fomos jantar fora em um restaurante que costumava frequentar com Malena.

-Porque você me olha tanto? – perguntou ela a certa altura do jantar – E que olhar é esse?

-Você me lembra sua mãe – respondi um tanto acanhado – E isso reascende a minha saudade dela …

-Eu sinto muito, papai – disse ela em tom ameno e com sorrisos enquanto pousava sua mão sobre a minha – Não quero que fique triste …, alegre-se! Afinal, eu estou aqui, não estou?

Sorri de volta e senti sua mão apertar a minha; nos dias que se seguiram eu e Rita aproveitamos para nos conhecer melhor; perguntei se queria estudar alguma coisa e ela pediu apenas para cuidar da floricultura de sua mãe; eu aquiesci de bom grado.

Nas mãos dela, o negócio prosperou e Rita mostrou-se muito capaz para os negócios; quanto a nós continuávamos nos conhecendo sempre com mais proximidade e alguma intimidade; vez por outra lhe perguntava sobre namorados ou flertes, porém ela sempre desconversava o que me deixava um tanto inconformado, já que Rita era uma moça muito bonita e atraente …, mas o que eu não sabia é que o universo conspirava na surdina. A primeira surpresa aconteceu em uma noite chuvosa de outono; Rita irrompeu dentro do meu quarto, assustada com a chuva forte e os relâmpagos que rasgavam os céus suplicando para dormir comigo.

Mal tive tempo de permitir e a garota enfiou-se debaixo das cobertas pedindo que eu a abraçasse. “Você abraçava mamãe assim?”, perguntou ela aninhando-se ainda mais ao meu corpo; respondi que sim beijando sua face; ela me fitou, sorriu e adormeceu; nos dias que se seguiram, mesmo não havendo mais tempestades e raios, Rita corria para meu quarto e dormia agarrada a mim …, embora um pouco curioso com a atitude de Rita, eu não a impedi de dormir comigo.

Uma noite, após um dia estafante de trabalho fui surpreendido mais uma vez por Rita que se dispusera a preparar um jantar para nós. Ela sugeriu que eu tomasse um banho e concordei com a ideia; ao terminar, voltei-me para pegar a toalha e tomei um susto ao ver Rita dentro do banheiro, parada, me observando. Ficamos os dois estáticos sem dizer uma palavra, até que eu tomei a iniciativa perguntando o que ela fazia dentro do banheiro.

-Você é tão bonito, papai! – balbuciou ela com um olhar extasiado, examinando-me de cima a baixo – Eu nunca tinha visto um homem nu …, mas você é lindo!

Impetuosamente, Rita correu em minha direção e me abraçou; por um instante eu não soube o que fazer …, pensamentos diversos obliteraram minha mente e a hesitação oscilava entre o receio e o desejo …, sentir Rita me abraçando era como sentir Malena viva novamente para mim. Temeroso das consequências daquela situação, eu me desvencilhei de Rita, enrolei uma toalha na cintura e saí do banheiro, recolhendo-me ao meu quarto.

Algum tempo depois, Rita bateu me chamando para o jantar que ela havia preparado; respondi que perdera a fome e estava pronto para dormir; Rita não disse mais nada. Durante a madrugada, senti uma pele quente e macia colar-se à minha e lábios doces beijarem meus lábios. “Malena! Meu amor? Você voltou?”, perguntei ainda um tanto atordoado pelo sono e pelo cansaço.

-Sim …, sou sua Malena – respondeu uma voz tão melodiosa como doce – Você pode me chamar assim, se quiser.

Abri o olhos e acendi o abajur; era Rita que estava abraçada a mim; ela sorria e beijava minha face. “Venha, papai! Me faça sua Malena! Sua mulher! É o que eu quero mais que tudo!”, sussurrou ela em meu ouvido. Não tive outra escolha senão me render ao inevitável; apertei Rita entre meus braços e nos entregamos a um beijo quente e voluptuoso ao mesmo tempo em que eu explorava seu corpo com as minhas mãos.

Os beijos evoluíram para algo mais profundo, e logo eu tinha minha boca explorando a gruta encharcada de Rita; deliciei-me em sentir seu sabor e fiquei extasiado quando ela explodiu em orgasmos sucessivos, gemendo e me chamando de seu amor.

Era como um estranho e incompreensível déjà-vu que turvava minha mente e meu senso; naquele momento, não era Rita que estava sendo assediada por minha boca ávida …, era como se Malena estivesse ali! Ao sugar seus mamilos intumescidos, a sensação era uma doce lembrança que inundava minha boca e também meu espírito. O mesmo aconteceu quando ela serpenteou pelo meu corpo até conseguir ter meu membro rijo em sua boca, premiando-me com uma enérgica carícia oral.

Quando a cobri com meu corpo, Rita incumbiu-se de conduzir meu sexo em direção ao seu, fitando-me com um olhar incendiário. “Seja carinhoso, papai …, essa é a minha primeira vez!”, murmurou ela enquanto esfregava a glande em sua gruta. Logo no primeiro golpe, Rita soltou um gritinho, mas seu olhar estimulava a prosseguir …, e foi o que eu fiz; avancei aos poucos, sempre esperando para que ela se acostumasse com o intruso volumoso em seu interior.

Vendo-a preenchida, respirei profundamente antes de dar início a uma sequência de movimentos pélvicos contundentes e profundos, apreciando a doce exasperação de Rita cujas reações eram doces, encantadoras e sensuais; seu primeiro orgasmo fruto de nosso embate foi tão veemente que Rita revirou os olhos como se estivesse em transe; e nos demais que se sucederam seus gritos, gemidos e suspiros com vozinha rouca me deixavam em estado de arrebatamento, como se eu tivesse reencontrado a mulher da minha vida.

Copulamos ao longo da madrugada, e Rita fez renascer em mim um vigor que eu supunha perdido após a partida de Malena. E ao atingir meu clímax, gritei seu nome enquanto despejava meu sêmen nas entranhas de Rita que também gritava tomada por um imenso prazer sob a forma de um prolongado orgasmo. No dia seguinte, eu e Rita não fomos trabalhar, preferindo nos entregarmos de corpo e alma a um interlúdio sexual que não se conteve entre as paredes do quarto.

Andamos nus pela casa e vez por outra eu sugava os mamilos de Rita enquanto ela provocava minha virilidade até que estivéssemos no chão, no sofá ou mesmo na mesa da cozinha, copulando e descobrindo novas posições e inovando em centenas de carícias imperdíveis. A tarde, tomamos banho, nos vestimos e saímos para comer alguma coisa. No restaurante de costume todos notavam nossa voluptuosa euforia manifestada por longos beijos e carícias um tanto descaradas. Desde então, vivemos não como amantes, mas como marido e mulher.

Dentro de casa Rita fazia questão que eu a chamasse de Malena, algo que me tocou profundamente e me tornou ainda mais apaixonado por ela. “Meu homem, meu marido, meu tudo!”, murmurava ela certa noite enquanto cavalgava meu membro subindo e descendo com movimentos ensandecidos de uma mulher deliciosamente sensual e carinhosa.

Sim, eu me lembro de tudo isso como se fosse hoje; as vezes vou ao túmulo de Malena e lá está uma rosa vermelha, a flor que ela mais adorava, e eu sabia que era um sinal para mim de que, estivesse onde estivesse, ela sentia-se feliz porque eu estava feliz! Anos depois, em uma noite de verão, eu e Rita estávamos deitados e repentinamente ela cobriu-me com seu corpo, fitando meu rosto com aquele olhar doce e envolvente. “Eu te amo! E sempre vou te amar!”, sussurrou ela entre sorrisos e beijos. Eu mirava seu rosto e via nele o reflexo de minha Malena! O tempo não apaga o que eu sinto e Rita se incumbe de que eu sempre me lembre de Malena!

igorhunsaker