"SANTA"

Fascinação, o que é fascinação? Algo que me causa arrepio na pele por este teu jeito de menina num corpo de mulher, que me enche de desejos. Não sei direito, mas, to achando que isso é a raiz de um amor.

MARGARETHE

MARGARETHE

O que se passou comigo deve ter acontecido com muita gente, embora não confessadamente. Todo mundo que eu conheço nega que tenha passado o que eu passei.

Margarete, a esposa do meu sócio, começou a se interessar por mim. Margarete é uma mulher muito gostosa, de cabelos castanhos, lábios grossos, seios e bundas grandes.

Aparecia no consultório com deliciosos decotes, saias curtas, calças apertadas. Me lançava olhares safados, cheios de promessa, quando meu sócio não estava olhando. Eu olhava sua bunda, seus vestidos que marcavam a calcinha, seus seios que se entreviam pelos decotes, comendo-a com os olhos

.. Ficava louco de tesão e me masturbava pensando nela. Era uma loucura aquele clima de sedução.
Um dia, a pretexto de ir buscar uma caixa no carro dela, descemos juntos. No elevador, ela me olhava, de cima a baixo me enlouquecendo, com olhos cheios de desejo. No estacionamento, foi requebrando na minha frente, me dando uma visão daquela bunda apetitosa e das pernas lindas, bem feitas. Pediu-me para entrar no carro com ela, precisava me dizer uma coisa.
“ você me acha bonita? “disse. “Acho “..” Acha nada, gosta do meu rosto? meu cabelo? “pegou minha mão e passou pelo rosto dela, pelos cabelos, com os olhos fechados. Eu tremia levemente, acariciando. “Acha minhas coxas macias? “ela perguntou. “não sei, “eu disse “nunca toquei nelas “.”vejo como você me come com os olhos, me deixa doida “ela disse. Levou minha mão até as coxas, me deixando sentir aquela pele gostosa. “acariciei as coxas, pressionando levemente. “. ela levou minha mão até o meio de suas pernas, me fazendo tocar sua buceta por cima da calcinha. “está vendo como me deixa molhadinha? você me deixa louca “. ela levou a mão até meu pau, apertou.:” que delícia. De repente, ela me interrompeu “que droga, Roberto vem vindo, quase que transo com você aqui mesmo. Me beija “. Ela agarrou meu rosto e nossos lábios se encontraram, se esfregando. sua língua fazia malabarismo dentro da minha boca, enquanto eu esfregava a mão na sua buceta. Ela tirou a minha mão e saiu do carro, afogueada. “Putz, que homem! quase gozei! “. Roberto chegou, peguei a caixa, naquela noite, não consegui dormir, tesudo, me masturbei muito pensando nela.
Dias depois, Roberto teve que viajar a serviço e ela veio buscá-lo para levá-lo ao aeroporto. Só me cumprimentou, de longe, mas me deu um olhar bem safado.
Atendi clientes, desatento, confuso.
Quando estava saindo, ela estava lá, mais linda do que nunca, de saia justa delineando sua bunda gostosa, a blusa decotada e sandálias de salto alto. E principalmente aquele olhar cheio de desejo me incendiando e hipnotizando. “vim te dar uma carona, “disse. No caminho, amassava meu pau, de vez em quando, eu apertava suas coxas, enquanto ela dirigia. “estou louca de tesão, quero dar para você “.
Mal entramos na casa dela, ela me agarrou pela nuca, virou meu rosto em sua direção e me deu um beijo, sugando minha língua, como se estivesse me chupando. Foi uma loucura. Ela apertou seu corpo no meu, coloquei uma perna no meio das suas, apertando sua xaninha com a coxa. Ela se esfregava para cima e pra baixo, excitada. Beijamo-nos muito, e eu lambi e chupei seu pescoço, seus ombros, abri sua blusa, mordiscando e chupando seus seios por cima do soutien. Minha mão subiu para o meio de suas pernas.
De repente, ela disse, mais áspera: “achega disso, não gosto desse melaço, não, me come logo! quero foder, enfia logo esse pau duro em mim! “
Ela me empurrou literalmente para o sofá, tirou a roupa, me olhando, rebolando e abriu minha calça, sofregamente, tirando –a junto com a cueca, em um movimento só. O pau estava mole. “você não gostou de mim? por que seu pau esta mole? “. Eu não soube explicar, não soube o que aconteceu, simplesmente, apesar do meu tesão, o pau não se levantou.: “que merda! ela disse. você é brocha?” Quanto mais ela falava, mais eu ficava nervoso e o pau nem dava sinal. Ela prosseguia, brava: “vai ver que é veado! me fez perder tempo”. Eu ainda tentei argumentar com ela, mas não adiantou. Ela pegou a minha roupa, me xingando muito e me mandou sair. Jogou a roupa na minha cara e foi abrir a porta. “posso te dar muito carinho,” eu disse ainda. “Carinho? eu não quero carinho, seu brocha, quero um macho! um pau duro! vai embora! “ . Meu rosto ficou em brasa, uma raiva muito grande tomou conta de mim. Com um pulo segurei-a firmemente pelo braço. Ela dizia alguma coisa, mas eu não ouvia, estava fora de mim, louco de raiva, senti que tudo escureceu.

Dei-lhe uma violenta bofetada, gritando para que se calasse. Arrastei-a para perto de mim, dei um outro tapa nela: “eu quase chorava de raiva e humilhação. Ela me olhou, assustada e recuou. “não sabe o que é carinho. Tem muito o que aprender! vou te mostrar quem manda! “
Dei-lhe outra bofetada e agarrei seu mamilo mantendo-a segura. Ela estremeceu, torci ele. Ela gemeu. “vai adorar meus carinhos!”. Torci com mais força. Rodei ambos os mamilos com o polegar e o indicador e os apertei. Ela gemeu de dor, continuei apertando até que ela chorasse. Os apertei com a unha. “diz que adora meus carinhos, sua vaca! “Chorando, ela disse: “adoro, adoro, adoro seus carinhos!”. Então, sádico, acariciei os mamilos com a palma da mão, com os dedos, com a ponta da língua, lambi-os, beijei-os, suguei-os, mordi os biquinhos, louco de tesão. Ela se arcava para a frente, sentindo meus lábios sequiosos, enquanto eu pressionava sua xaninha empurrando minha coxa em seu grelinho. Os seios ficaram durinhos, minha coxa ficou úmida dela.

Sentei-me numa cadeira e deitei-a em meu colo, com o rosto virado pra baixo. “o que você vai fazer?” ela perguntou. “todos temos que pagar por nossos erros” eu respondi. Bati naquela bunda e deliciosa, excitado com a pele na palma de minha mão., nunca tinha sentido isso, me surpreendi por gostar, minha mão subia e descia num ritmo irregular, eu tremia de raiva e de excitação. Sentia o formigamento no pau, como se ele estivesse duro. Ela gemia, mandando parar. Eu a mandei calar-se, apenas fiquei ouvindo o estalar de minhas palmadas.
! A mão descia rápido marcando e balançando a pele.!. Ela gemia, agora mais baixo.! Eu batia com força, até ficar com a mão cansada. Alcancei o cinto, dobrei e comecei a bater nela com o cinto. Ela apenas gemia. Enfiei a mão entre as pernas dela, por baixo, massageando sua xaninha úmida. Ela já estava com a bunda vermelha e um pouco inchada. Agora gemia de um jeito diferente. eu a masturbava e ela se contorcia, ofegante.! eu batia e massageava com a mesma intensidade eu batia mais rápido e mais rapidamente. Meu dedo circulava dentro de sua xana, entrando e saindo rapidamente, ela se contorcia, se esticava, gemia.! Minha mão estava ficando dormente e ela gozou, sacudindo-se espasmodicamente, incapaz de controlar suas contrações. Parei de bater e apertei a mão em sua xana, sentindo suas contrações.
“ Ah, “ela gemeu “gozei muito, que delícia! “ . “te perguntei alguma coisa? “eu respondi, ríspido.
Suas nádegas estavam vermelhas e inchadas, as coxas úmidas do seu gozo. Ela debruçou-se para me beijar, levou uma bofetada. “nada de beijo, sua puta! “ela bambeou, me olhando assustada. Ordenei que ela se virasse, admirei e acariciei suas nádegas. castigada com as mãos e lábios, fazia tempo que eu não tinha uma mulher gostosa nos braços, estava saudoso e louco de tesão. Extasiado, fascinado, alisei cada pedacinho da bunda, passei o rosto nela, beijei e lambi cheio de paixão. Aquela bunda quente. Sentindo cada intumescimento da pele, que tesão! Abri as nádegas dela e lambi seu cuzinho, enfiei a língua bem fundo, chupando seu preguinho. Ela se arrebitou, eu explorei com a língua ao longo de sua racha. Cheirei, lambi, suguei, alternei língua e dedos, até que ela se excitasse novamente. Daí suguei o grelinho dela e enfiei um dedo em seu cuzinho, fazendo-a pedir mais e mais rápido até que gozou intensamente, urrando de prazer. Deixei-a molinha, ofegante. Só então a beijei carinhosamente. Desci a língua por todo o corpo dela, sentindo o gosto e o perfume de sua pele: Chupei seu pezinho chupei cada dedo dela, a sola do pé, mordi e lambi o calcanhar, lambi seus pés. Ela se contorcia, gemendo agora de prazer. Gemia com meus toques., em baixinho. Começamos a nos beijar fortemente, a nos esfregar e senti que ela estava excitada novamente. Beijou minha boca com loucura e eu, beijando seu corpo, sentindo aquela tremenda fêmea vibrar aos meus toques. Beijei a xoxota dela, quis sentir o cheiro na minha cara e lentamente comecei a lamber o clitóris e os lábios enchidinhos que me deixavam louco.        Chupei o grelo e a buceta já inundada. Posicionado entre suas coxas enfiei um dedinho nela, acompanhei o dedinho ir sumindo dentro da xana. Ela gemeu. Sugando seu grelo iniciei um demorado vai e vem com o dedo. Margarete gemia de prazer. Passei creme nas mãos e braço; Margarete me olhou, curiosa. Fui afastando os lábios carnudos da buceta e enfiando um dedinho atrás do outro, até enfiar minha mão inteira introduzindo o punho milímetro após milímetro. Senti a maciez aveludada do interior da buceta e as contrações musculares. Ela berrava e pedia mais.,! Comecei a puder ela com minha mão sem parar, a bombear o braço para dentro e para fora da buceta com mais rapidez. Com a outra mão esfreguei o cuzinho dela. Ela pedia mais e mais rápido e incapaz de controlar o próprio corpo, seus quadris se ergueram e ela gozou intensamente várias vezes, até quase desmaiar.
Esfreguei o pau em seus seios, na sua virilha e ela me chupou até me fazer , explodir num gozo gratificante, que me deixou trêmulo.
Depois de um breve descanso, levei-a para um longo banho morno, passei creme na sua bunda, beijando-a carinhosamente. Mas a lição estava apenas começando.


Tive com Margareth um caso que durou quase um ano, até que meu sócio se desligou da firma e eles se mudaram. Durante esse tempo, Margareth foi muito cúmplice com relação ao meu problema., transamos várias vezes de várias maneiras, mas ela sempre gozava mais quando apanhava. Apendi muito com ela, e ela comigo, tenho certeza.

Fomos cúmplices.

igorhunsaker

1 comentário até agora

JosiahSCVictorville Publicado em2:20 pm - setembro 18, 2020

JosiahSCVictorville